Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Professores querem recuperar tempo congelado até 2023

Negociações arrancam esta quarta-feira.
Bernardo Esteves 24 de Janeiro de 2018 às 09:13
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Manifestação de professores
Recuperar em cinco anos, entre 2019 e 2023, o tempo de serviço que esteve congelado é o objetivo definido pelos sindicatos de professores para as negociações com o Ministério da Educação (ME), que arrancam esta quarta-feira.

A 18 de novembro de 2017, três dias depois de uma das maiores greves de professores, ME e sindicatos assinaram uma declaração em que a tutela se comprometeu a devolver o tempo congelado, em moldes a definir nas negociações com os sindicatos.

Também a Assembleia da República aprovou, a 15 de dezembro, com votos de PS, PCP, BE e PEV, uma resolução a recomendar ao Governo a contagem de todo o tempo de serviço para efeitos de progressão na carreira. Segundo o Governo, a reposição dos professores em escalões mais avançados da carreira custa 650 milhões de euros por ano.

Os sindicatos ameaçam com novas greves se o tempo não for reposto. Com a recuperação de 9 anos, 4 meses e dois dias, haverá professores com aumentos de mil euros.

As negociações serão conduzidas pelas secretárias de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, e da Administração Pública, Fátima Fonseca.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)