Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Viver entre a depressão e a elevação do humor

Crises de bipolaridade podem variar entre horas, dias ou meses
Daniela Polónia 6 de Agosto de 2016 às 09:38
Doentes podem oscilar entre meses de depressão e períodos de euforia FOTO: Pedro Catarino
As emoções e os comportamentos na bipolaridade são todos por excesso. Por exemplo, tristeza, falta de energia e de iniciativa, diminuição do prazer que se tinha em determinadas atividades, falhas de memória, dificuldades de concentração e cansaço físico. No extremo oposto, a excitabilidade, os gastos excessivos, a hipersexualidade e a realização de várias tarefas em simultâneo mas de forma desorganizada e não produtiva.

"A doença bipolar é uma perturbação psiquiátrica que se caracteriza por crises depressivas e por episódios de mania ou de hipomania (elevação do estado do humor)", explica Maria João Heitor, diretora do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures.

A duração dos episódios de depressão e de mania ou hipomania é variável – "Num ciclador rápido, pode demorar um dia ou umas horas entre cada crise. Há também casos de pessoas que estão meses deprimidas e que, sendo medicadas, melhoram e chegam à eutimia, ou seja, ao equilíbrio. No entanto, se o doente estiver numa fase de mania e não for tratado, pode estar meses a gastar rios de dinheiro e depois meses deprimido", afirma a psiquiatra.

A bipolaridade está associada ao consumo de álcool e drogas. Nas fases depressivas graves, pode levar ao suicídio. "Noventa por cento dos suicídios que são cometidos estão relacionados com a depressão. É importante perceber que se trata de uma doença", apela Maria João Heitor.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)