Barra Cofina

Correio da Manhã

Tecnologia

Sonda Rosetta alcança cometa após 10 anos de viagem

É um feito histórico: sonda europeia é o primeiro dispositivo espacial a orbitar um cometa. Missão quer desvendar segredos sobre o Universo e a origem da vida.
6 de Agosto de 2014 às 12:13
É um feito histórico: sonda europeia é o primeiro dispositivo espacial a orbitar um cometa. Missão quer desvendar segredos sobre o Universo e a origem da vida.

A sonda espacial europeia Rosetta chegou, às 09h29 desta quarta-feira ao ponto de encontro com o cometa Tchourioumov-Guérassimenko, que irá seguir na sua viagem até ao sol, anunciou a Agência Espacial Europeia (AEE).

"Ela chegou ao cometa", anunciou Sylvain Lodiot, o responsável pelas operações de voo da Rosetta na AEE, desde o centro de controlo de Darmstadt, no centro da Alemanha. Este é o primeiro dispositivo espacial a conseguir orbitar um cometa.

O que preciso de saber sobre a Rosetta?

Em 2004, a Agência Espacial Europeia (ESA, sigla em inglês) criou a sonda Rosetta, que pesa três toneladas.  Os cientistas da ESA acreditaram que a conseguiam lançar, juntamente com o seu pequeno companheiro, o robô Philae, rumo ao espaço para se encontrarem com o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, ou simplesmente 67P, para abreviar. Dez anos depois, o sonho tornou-se realidade.

A sonda espacial percorreu seis biliões de quilómetros pelo espaço até alcançar o cometa, que se encontra atualmente a 400 milhões de quilómetros da Terra. O 67P é constituído por gelo, rocha e pó, e poderá lançar uma nova luz sobre como surgiu o sistema solar, a formação dos planetas e até a origem da vida.

Esta quarta-feira, dia 6 de agosto, marca o dia em que a sonda espacial alcançou o 67P, após várias semanas de delicadas tarefas e ajustes de rota, efetuados pelos cientistas europeus, que serviram para conduzir a sonda em direção à órbita do asteroide.


(Ilustração do Philae a aterrar an superfície do 67P/Churyumov-Gerasimenko)

Durante os próximos meses a sonda espacial vai acompanhar o astro, cujo período de traslação demora quase sete anos, e estudá-lo na tentativa de procurar um sítio adequado para pousar o Philae na sua superfície. Este robô, controlado pelos cientistas, deverá tocar a superfície do cometa em novembro próximo, esperando-se que por lá fique até agosto de 2015, quando o astro passar no ponto mais próximo do sol. A missão deverá ser concluída em dezembro desse ano.

Qual a importância de uma sonda aterrar num cometa e a que se deve este entusiasmo?

O dia 6 de agosto de 2014 marca o primeiro contacto de uma nave espacial comandada pelo Homem a orbitar um cometa. Não é um planeta, mas sim um cometa. Em novembro, o Homem vai mostrar que é possível fazer aterrar um robô num cometa, a partir de uma sonda que viaja à velocidade de 1000km/h.

Há pouco mais de 100 anos, a Humanidade descobriu um modo de se deslocar pelos céus. Hoje, ir para qualquer destino do mundo está à distância de um bilhete de avião. São estas pequenas vitórias que permitem os grandes avanços tecnológicos.

Devo estar excitado com este marco da Ciência?

Sim! Estamos no futuro.


(Ilustração da Rosetta a aproximar-se do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko)

VEJA O VÍDEO DA AGÊNCIA ESPACIAL EUROPEIA QUE MOSTRA A SIMULAÇÃO DA APROXIMAÇÃO DA SONDA AO COMETA AO LONGO DOS PRÓXIMOS MESES

sonda Rosetta cometa Tchourioumov-Guérassimenko
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)