Barra Cofina

Correio da Manhã

Tv Media
7

Canal infantil acusado de censurar beijo homossexual

Panda Biggs censurou cenas na série Sailor Moon Crystal, destinada a crianças dos oito aos 14 anos.
Mariana Branco/SÁBADO 9 de Junho de 2018 às 18:58
Sailor Moon Crystal
Sailor Moon Crystal
Sailor Moon Crystal
Sailor Moon Crystal
Sailor Moon Crystal
Sailor Moon Crystal
Sailor Moon Crystal
Sailor Moon Crystal
Sailor Moon Crystal

O canal Panda Biggs censurou cenas que abordavam as temáticas da homossexualidade e transgénero na série Sailor Moon Crystal, destinada a crianças dos oito aos 14 anos. A decisão motivou várias queixas à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), avança a SÁBADO.

Uma das queixas foi apresentada pela Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), o organismo responsável pela promoção e defesa desses princípios. No entanto, a ERC entendeu que o corte dessas cenas não se traduz em qualquer apelo à discriminação em razão da orientação sexual, decidindo arquivar o processo.

Em causa estavam cenas entre duas personagens, Haruka e Michiru, que – ao contrario do que foi apresentado em versões internacionais da serie japonesa – não são primas mas sim namoradas. A aparência andrógina de uma das personagens e a relação homossexual entre as duas são aparentemente de "apreensão complexa" para as crianças.

Na decisão, a ERC revela quatro participações contra o Panda Biggs, além da queixa apresentada pela CIG. Todas as queixas se referiam aos cortes da cena em que as duas personagens femininas se beijavam, e as demais cenas em que se abordava a questão da identidade de género de uma das personagens. As queixas afirmavam que esses cortes reforçam a "invisibilidade de expressões afectivas não-normativas".

Os queixosos alegam que se tratou de um acto discriminatório com base na orientação sexual, utilizando como exemplo uma cena em que uma personagem masculina força o beijo de uma rapariga, transmitida "sem qualquer pudor sobre o público-alvo".

À ERC, o canal alegou que as cenas eram desadequadas ao público-alvo e ao perfil do canal, afirmando que a sua retransmissão poderia "não ter o melhor acolhimento". "Tratou-se tão-somente de uma apreciação de natureza editorial que nada tem a ver com censura", defendeu o Panda Biggs.

"É forçoso reconhecer que as temáticas da homossexualidade e do transgénero ainda não são, no contexto social actual, inteiramente aceites por toda a sociedade portuguesa, originando controvérsia. Pode admitir-se até que sejam de uma apreensão mais complexa para as crianças", afirmou a ERC. "Não se põe, por isso, em causa a liberdade editorial do serviço de programas Panda Biggs, que tem a liberdade de escolher os programas que transmite".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)