Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

Agente da PSP implica Pereira Cristóvão e Mustafá em assaltos a residências

Acusados pertencem a uma alegada rede criminosa de assaltos violentos.
Lusa 20 de Fevereiro de 2019 às 18:59
Mustafá, chefe da Juve Leo
Paulo Pereira Cristóvão
Paulo Pereira Cristóvão
Mustafá, chefe da Juve Leo
Paulo Pereira Cristóvão
Paulo Pereira Cristóvão
Mustafá, chefe da Juve Leo
Paulo Pereira Cristóvão
Paulo Pereira Cristóvão

Um agente da PSP e arguido no processo implicou esta quarta-feira em tribunal o ex-inspetor da Polícia Judiciária Paulo Pereira Cristóvão e o líder da claque Juventude Leonina, Nuno Vieira Mendes, conhecido como 'Mustafá', em assaltos a duas residências.

Na segunda sessão do julgamento de 17 arguidos, acusados de pertencerem a uma alegada rede criminosa de assaltos violentos a residências na Grande Lisboa e na margem sul do rio Tejo, Elói Fachada disse no Tribunal de Cascais que Paulo Pereira Cristóvão era o informador e quem selecionava os alvos a assaltar, enquanto 'Mustafá' e o irmão, Paulo Santos, conhecido como 'Bábá', faziam a ponte com os operacionais no terreno.

O polícia contou ao coletivo de juízes que as residências a assaltar seriam de "alegados criminosos" com "elevadas quantias em dinheiro em casa", e que os assaltos eram levados a cabo por arguidos que compunham a vertente operacional da alegada associação criminosa, os quais se identificavam perante as vítimas como polícias no cumprimento de mandados de busca domiciliária forjados.

Elói Fachada relatou que em fevereiro de 2014 foi contactado pelos arguidos Vítor Hugo e 'Bábá' com a "proposta" de assaltar a residência de um suposto burlão, no concelho de Cascais, que teria cerca de 80.000 euros num cofre, tendo aceitado participar, pois passava por "dificuldades financeiras".

O valor do assalto, segundo este agente policial, seria depois dividido a meias por quem "teve a ideia" do assalto e pelos executantes do mesmo.

Questionado pelo tribunal sobre quem era o informador, o agente da PSP explicou que outros arguidos, nomeadamente Vítor Hugo, lhe disseram tratar-se de Pereira Cristóvão, "antigo inspetor da PJ e que foi do Sporting [antigo vice-presidente do clube]", mas que nunca o viu nem falou com ele.

O assalto à residência do alegado burlão, realizado a 27 de fevereiro de 2014, foi executado por Elói Fachada, outro agente da PSP e dois outros arguidos. Após o mesmo, Elói Fachada descreveu que os quatro arguidos seguiram numa viatura e, no caminho, ainda em Cascais, pararam e o arguido Vítor Hugo saiu do automóvel e foi entregar todo o dinheiro a um outro automóvel que os seguia, que tinha como ocupantes 'Mustafá' e o seu irmão 'Bábá'.

Cerca de duas horas depois, já no Monte da Caparica, em Almada, como combinado anteriormente, as duas viaturas voltaram a encontrar-se para que os quatro operacionais recebessem a sua parte. Foi nesse momento que o arguido disse ter visto 'Mustafá' e o irmão deste, que ocupavam o outro automóvel.

O agente da PSP referiu que cada arguido recebeu 7.500 euros, exceto um dos envolvidos, a quem lhe foi entregue 1.500 euros, acreditando que o assalto rendeu cerca de 80.000 euros. Contudo, a acusação do Ministério Público refere que no assalto foram levados 145.000 euros e que os arguidos 'Mustafá' e 'Bábá' receberam, cada um, 10.000 euros, e não 7.500 euros.

O segundo episódio em que Elói Fachada implica Pereira Cristóvão ocorreu poucos dias depois a uma residência na Avenida do Brasil, em Lisboa, propriedade de alguém que, alegadamente, teria "levado três milhões de euros do banco BPN".

O polícia disse que, como acontecera no assalto à residência de Cascais, foi o arguido Vítor Hugo que falou com ele. Questionado pela presidente do coletivo de juízes sobre se os "cérebros pensantes" deste assalto eram os mesmos do de Cascais, o arguido assumiu que sim, referindo-se a Paulo Pereira Cristóvão, antigo inspetor da PJ e ex-vice-presidente do Sporting.

O assalto acabou por correr mal, pois levantaram os tacos de várias divisões da residência "com uma marreta e um pé de cabra", mas não encontraram dinheiro nenhum. De seguida, acrescentou, os arguidos que executaram o assalto dirigiram-se para o estádio do Sporting, onde se encontraram com 'Mustafá' e o seu irmão, e lhes explicaram o "assalto frustrado", acreditando este agente da PSP que lhes foi dada a morada errada da residência a assaltar.

Paulo Pereira Cristóvão, implicado nestes dois assaltos, vai falar na próxima sessão, marcada para 13 de março, após terminar o depoimento de Elói Fachada, que hoje assumiu a participação em mais quatro assaltos, mas nestes não mencionou qualquer intervenção do ex-inspetor da PJ de 'Mustafá' ou do irmão deste.

Os 17 arguidos respondem por associação criminosa, roubo, sequestro, posse de arma proibida, abuso de poder, violação de domicílio por funcionário e falsificação de documento.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)