Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

BE chama ministro da Saúde ao parlamento com urgência

Braço de ferro entre enfermeiros e Ministério da Saúde prolonga-se desde julho.
Lusa 15 de Setembro de 2017 às 18:23
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros
Manifestação dos enfermeiros

O BE vai chamar o ministro da Saúde ao parlamento com caráter de urgência para prestar esclarecimentos sobre as reivindicações dos enfermeiros e "medidas concretas" para lhes corresponder, anunciou o grupo parlamentar bloquista.

"O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda requer, com caráter de urgência, a audição do ministro da Saúde sobre a situação dos profissionais de enfermagem, suas reivindicações e medidas concretas para corresponder às mesmas", lê-se no requerimento subscrito pelo deputado Moisés Ferreira.

O BE junta-se, assim, ao PCP que já havia divulgado ter pedido a presença do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, para prestar esclarecimentos sobre a situação dos enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Os bloquistas defendem que "repor o valor das horas de qualidade, garantir as 35 horas para todos os profissionais de enfermagem, aumentar a base salarial destes profissionais e valorizar a sua especialização são propostas que devem avançar rapidamente", além da "necessidade de contratar mais profissionais de enfermagem para o SNS" e "negociar a revisão da carreira de enfermeiro".

"O Governo tarda em assumir estas medidas e estes compromissos com os profissionais de enfermagem, o que já levou à marcação de uma nova greve para o início de outubro", sublinham.

Os enfermeiros cumprem hoje o último de cinco dias de greve nacional e juntaram aos vários protestos que têm realizado pelo país uma concentração junto à Assembleia da República, à tarde.

Durante os quatro primeiros dias de greve a adesão dos profissionais tem andado em valores entre os 80 e os 90%, segundo o Sindicato dos Enfermeiros, que marcou a paralisação em conjunto com o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem.

Várias cirurgias programadas foram adiadas e muitas consultas canceladas.

Os enfermeiros reivindicam a introdução da categoria de especialista na carreira de enfermagem, com respetivo aumento salarial, bem como a aplicação do regime das 35 horas de trabalho para todos os enfermeiros, mas a secretaria de Estado do Emprego considerou irregular a marcação desta greve, alegando que o pré-aviso não cumpriu os dez dias úteis que determina a lei.

O braço de ferro entre enfermeiros e Ministério da Saúde prolonga-se desde julho, com a reivindicação da integração da categoria de especialista na carreira.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, deu o seu apoio ao protesto dos enfermeiros especialistas, bem como à greve convocada por dois dos sindicatos de enfermeiros. De fora desta paralisação ficou o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)