Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
4

Família vive com fantasmas

O Apartheid – regime que separou negros e brancos na África do Sul durante mais de 40 anos – acabou há 20 anos e a sua morte foi anunciada pela libertação, a 11 de Fevereiro de 1990, do líder africano Nelson Mandela. Para assinalar a data – e também para comemorar os seus dez anos de existência – o Teatro dos Aloés acaba de estrear, nos Recreios da Amadora, ‘A Lição dos Aloés’, do sul-africano Athol Fugard. Uma reflexão sobre o peso da política na vida de todos nós, mas também sobre o poder da amizade e a importântica da fidelidade.
23 de Julho de 2010 às 00:10
Elsa Valentim é uma das protagonistas deste espectáculo assinado por José Peixoto para o Teatro dos Aloés
Elsa Valentim é uma das protagonistas deste espectáculo assinado por José Peixoto para o Teatro dos Aloés FOTO: d.r.

Em cena, num espaço simultaneamente interior e exterior (no palco coexistem o jardim de uma casa residencial e o quarto do casal proprietário), assistimos à exposição de ambos os universos: o público e o privado, através dos diálogos entre três personagens: o afrikander ‘Piet’, a mulher ‘Gladys’ (acabada de regressar de uma clínica psiquiátrica) e o melhor amigo dele, ‘Steve’, um negro que cumpriu pena por razões políticas. 

Ao longo de cerca de duas horas, num clima de tensão crescente, o espectador assiste a um desfilar de ideias e memórias que, pouco a pouco, nos dá a conhecer três pessoas totalmente diferentes mas todas complexas, marcadas por um passado difícil. Um dos méritos do texto de Athol Fugard é ter criado três protagonistas para a sua peça.

Na encenação de José Peixoto, e em interpretações de Jorge Silva, Elsa Valentim e Daniel Martinho, ‘Uma Lição dos Aloés’ é um apelo à fidelidade. Aos ideais e às pessoas. Para ver até 1 de Agosto. Depois, o espectáculo segue para digressão.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)