Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

Tara Perdida: "A melhor forma de homenagear o João era continuar"

Um ano após a Morte de João Ribas, os Tara Perdida editam ‘Luto’. As novas canções foram feitas a partir da dor e da revolta e contam já com o novo vocalista, Tiago Afonso. O guitarrista Rui Costa (Ruka) fala sobre a perda e a continuação do grupo.
Miguel Azevedo 28 de Junho de 2015 às 17:41
Grupo comemorou vinte anos  de carreira no passado dia 10 de junho
Grupo comemorou vinte anos de carreira no passado dia 10 de junho FOTO: Alexandre Paixão
No final do ano passado dizia que era o público que iria definir o futuro dos Tara Perdida. Como é que sentiram os fãs depois da morte do João Ribas?
Todos sentimos muito a morte do João, mas também sentimos logo que os fãs estavam connosco. A melhor forma de homenagear o João era continuar, também a bem da nossa sanidade mental. Curiosamente, acho que o regresso a estúdio acabou por funcionar para nós quase como uma sala de terapia.

E como é que foi a adaptação do novo vocalista, Tiago Afonso?
Bem, tenho de confessar que não foi fácil ouvir o Tiago a cantar as canções que foram gravadas com a voz do João. Mas a vida continua e o João não volta.

Porque é que a escolha recaiu sobre o Tiago?
Acho que o Tiago foi a melhor escolha que poderíamos ter tido. Ele enquadrava-se muito bem na linguagem dos Tara Perdida. O Tiago era dos Easyway, que são uma banda mais melódica, e claro que vinha com os seus vícios mas nós ajudámo-lo a cortar com eles [risos]. Lembro-me, por exemplo, de lhe ter dito para não se preocupar tanto com a afinação e mais com o cantar ‘lá de dentro’.

O João Ribas já conhecia o Tiago?
Sim, já éramos todos amigos. Uma coisa engraçada com o Tiago é que ele é uma pessoa com o cérebro limpo, que nem sequer bebe [risos]. E por isso decorou as coisas muito rápido. Para mim ele é neste momento o melhor vocalista em Portugal. Não posso dizer outra coisa.

Mas durante muito tempo muita gente pensou que era o Ruka que iria ocupar o lugar do João?
Eu canto neste disco o tema ‘Até Ao Fim’, só que quero o melhor para os Tara Perdida [risos]. Ainda houve amigos que queriam que eu fosse para vocalista do grupo, mas a verdade é que a minha voz não chega lá. Sou bom nos tons baixos, assim na onda de um Jorge Palma, mas mais do que isso já não dá. O que eu quero é sempre uns Tara Perdida em grande. Preferi alguém que cantasse bem e neste aspeto acho que fui honesto comigo próprio e com o grupo.

O que é que aprendeu com o João ao longo destes anos?
Aprendi a não me deslumbrar, aprendi o valor da amizade e a importância do pôr o coração naquilo que fazemos. Acho que o João sabia que era influente para os outros, mas não sabia o quanto. Se calhar é por isso que para muita gente é quase uma afronta continuarmos, mas é isto que queremos fazer. Para nós é um estilo de vida. Se queres que te diga, hoje até acho que a motivação é a dobrar. Quanto ao Ribas, ele há de ser o maior de todos até daqui a cem anos. Posso dizer que hoje continuamos a ser uma banda cheia de força. A revolta é positiva e tenho a certeza de que vamos arrasar por onde passarmos. Há um ciclo que se fecha e outro que se abre.

Decidiram intitular o novo disco de ‘Luto’. É difícil ultrapassar este período?
Sim. É muito difícil. Quando o João morreu eu fiquei desfeito, até porque acompanhei todo o seu percurso até ao final. Posso dizer que estive presente no último momento do João.

E em algum momento vos passou pela cabeça colocar um ponto final no grupo?
Não. A melhor maneira era mesmo continuar. É verdade que podíamos fazer outra banda, mas eu sinto que o João continua vivo enquanto os Tara Perdida também continuarem. Posso dizer que até ao momento em que o Ribas fechou os olhos eu nunca acreditei que ele ia morrer. Parece que estive a viver num outro mundo qualquer.

E estas novas canções foram mais difíceis de escrever do que era habitual?
Devo dizer-te que estas novas composições saíram de penálti, tal era a revolta. Estávamos a gravar uma música e de repente já estava a sair outra. Tudo o que se fez neste disco foi com amor e verdade.

Já lá vão muitos anos de estrada, 20 para ser mais preciso. Ainda se lembra do primeiro concerto dos Tara Perdida?
Então não! Até me lembro do que levávamos vestido. Recordo-me que o baixista tinha de parar o carro de cem em cem metros porque estava avariado [risos].

Mas foi muito difícil vingar no início?
Bom, o João Ribas já vinha dos Censurados e por isso havia muita gente atrás dele com curiosidade para ver como era a nova banda do Ribas. E começámos aí a nossa luta. Curiosamente, nunca tivemos de tocar as músicas dos Censurados, mas sempre tivemos a atenção de todos. Acima de tudo, os Tara Perdida foram uma banda que começou de uma enorme amizade entre todos.

Sempre permaneceram fiéis a uma estética. É esse o segredo?
Nós somos uma banda que se movimenta entre o underground e o mainstream. Continuamos a fazer um som audaz. Quem é que faz esta barulheira que nós fazemos? [risos]. A mim sempre me interessou mais a energia das pessoas e uma certa atitude. O Ribas, por exemplo, adorava provocar e criar controvérsias. Por isso chegámos a ser criticados em programas de televisão.

Mas uma banda punk em Portugal ter sobrevivido às mudanças de tendências num mercado tão pequeno é obra!
Nós fomos sobrevivendo porque sempre fomos fazendo por conquistar o público. Quando dizem que o mercado dá para todos, eu não concordo nada com isso. É preciso não esquecer quem nos ouve.

E como é que isso se faz?
Primeiro é preciso sempre passar uma boa mensagem e cantá-la. E depois é preciso que os músicos acreditem naquilo que fazem. Eu costumo dizer que sou um fã incondicional dos Tara Perdida. Mesmo quando estou em palco a tocar também sou um dos elementos do público que nos está a ouvir. E depois acho que temos sabido ter sempre à nossa volta pessoas que se entregam como nós.

Como acontece agora com o Tiago Afonso!
Sim. Não há grande segredo nisto. Nós somos apenas pessoas espontâneas que temos uma grande dinâmica e o Tiago veio ao encontro disso. Estes 20 anos deixam-me muito feliz e já me dou por contente com eles, mas sentir que as pessoas continuam com afinco é brutal. O Tiago, por exemplo, já nos surpreendeu muito pela positiva e isso libertou -nos bastante. Eu voltei a curtir a guitarra e a abanar a cabeça.

Mas o punk ainda faz sentido nos dias de correm?
O que faz sentido é fazer o que se gosta. Nós viemos da escola do punk, da velha guarda. Já somos da quarta ou da quinta geração e acho que todos nós ainda temos uma atitude muito punk, mas na verdade estou-me nas tintas para os outros. Sempre fomos amigos e nunca bajulámos ninguém.

Como vê agora o futuro dos Tara Perdida?
Todos nós sabemos que um dia virá o fim. Um dia sei que isto vai acabar, só não sabemos é quando. Mas devo dizer que estou muito feliz com tudo o que conseguimos. Fizemos os dois coliseus em nome próprio e tocámos em todos os festivais.
Tara Perdida carreira caminho das estrelas Luto João Ribas Tiago Afonso Rui Costa música punk banda entrevista
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)