Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

PSG acusado de classificar possíveis contratações "por raça e etnia"

Jogadores eram classificados de 'magrebinos', 'antilhanos', 'africanos' e 'franceses'.
8 de Novembro de 2018 às 16:50
Bola de futebol
Futebol
Futebol
Bola de futebol
Futebol
Futebol
Bola de futebol
Futebol
Futebol
O Paris Saint-Germain classificou por etnias os jovens futebolistas em avaliação pelo departamento de recrutamento, entre 2013 e 2018, revelou o site Mediapart, no âmbito de revelações do 'Football Leaks'.

Os jogadores eram classificados de 'magrebinos', 'antilhanos', 'africanos' e 'franceses', confirmou à agência AFP fonte próxima do clube parisiense, acrescentando que está em curso "um inquérito interno".

A informação foi, posteriormente, confirmada pelo campeão francês, em comunicado, mas com o clube a justificar que se tratou "de uma iniciativa pessoal do responsável daquele departamento" de recrutamento.

"Assim que foi informado, no início de outubro, o PSG abriu um inquérito interno para entender como é que tais práticas podiam existir e quais as medidas a tomar", justificou o clube, na nota hoje divulgada.

Nos formulários, o clube tinha uma opção para tipificar a origem das possíveis contratações e que, para os franceses, existia ainda a possibilidade de acrescentar se se tratava de um jogador de raça branca.

De acordo com Serge Fournier, prospetor de jogadores para o clube na Normandia, a razão tinha a ver com o facto de não se saber a idade dos jogadores nascidos no continente africano.

O site Mediapart faz alusão a uma reunião de março de 2014, em que um dos responsáveis pelas contratações, Marc Westerloppe, terá dito que existia um "problema de estratégia do clube", com falta de equilíbrio, "com muitos jogadores das Antilhas e africanos".

Westerloppe já contestou as declarações, mas a publicação adianta que a reunião terá levado o clube parisiense a chamar o responsável para o repreender, embora este não tenha sido sancionado.

O PSG terá pedido o apoio de Malek Boutih, presidente do SOS Racismo, e o dirigente reconheceu a existência de "um problema real", mas que existia um desconhecimento da direção em relação aos formulários.

O presidente do Rennes e diretor desportivo do PSG à data dos acontecimentos, Olivier Létang, já disse estar "profundamente chocado e magoado".

"No âmbito das minhas responsabilidades no PSG, os objetivos para contratar na formação nunca mudaram: encontrar os melhores jogadores jovens, para, eventualmente, evoluírem para profissionais. Foi esta a minha única motivação no PSG, como em todos os clubes por onde passei", sublinhou Létang.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)