Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
9

Gelson Dala: "Jesus disse-me para ter espírito de sacrifício"

Avançado do Sporting B mostra veia goleadora.
Mário Figueiredo 16 de Abril de 2017 às 09:22
Gelson Dala marcou um dos golos do Sporting
Gelson Dala marcou um dos golos do Sporting FOTO: Rui Minderico
Correio Sport - Foi o melhor marcador do Girabola e já soma 7 golos na II Liga pelo Sporting B. Como tem decorrido a sua adaptação?

Gelson Dala - Felizmente tem corrido bem. Encontrei no Sporting uma realidade completamente diferente. Houve alguma dificuldade no início, mas agora, com a ajuda dos treinadores e da equipa, estou a progredir e a começar a mostrar o meu futebol.

- Chegou a Portugal com Ary Papel (emprestado ao Moreirense). Acredita que os dois podem ter sucesso por cá?

– Viemos com esse objetivo. Depende de nós conseguirmos ter sucesso. Estamos a trabalhar para isso.

– Chegou em dezembro. Sente que a sua integração na equipa B foi a melhor decisão para a sua adaptação ao futebol português?

– Sim! As pessoas no Sporting sabem gerir bem essas situações. Tal como já disse, há que trabalhar muito para evoluir e conseguir ter sucesso. A equipa B é muito competitiva. Também tem grandes jogadores e todos querem provar o seu valor. Isso é bom, porque aumenta a competitividade no grupo. Depois compete ao treinador tomar as suas decisões em função do que pensa ser melhor para a equipa.

- Quais são as principais diferenças entre o futebol angolano e o português?

– Há muitas, sobretudo no plano tático. Nesse aspeto sinto que tenho aprendido muito e ainda há muito para aprender, mas o caminho faz-se caminhando. Há também muitas diferenças ao nível dos métodos de trabalho em Portugal e em Angola. Eu já tinha uma pequena base, porque em Angola fui treinado por Daúto Faquirá, que levou muitos ensinamentos naquela altura. Também por isso já sabia mais ou menos o que esperar em Portugal.

– É um jogador franzino com 1,75 metros e 67 kg. É uma vantagem ou precisa de aumentar a massa muscular?

– Estou a trabalhar em todos os aspetos para melhorar. Confio plenamente no trabalho que fazem comigo, dentro e fora do campo.

–Tem sido um dos destaques da equipa B. Sente que merece uma oportunidade na equipa principal até ao final da época?

– Já disse que o caminho se faz caminhando. Sou jovem e não tenho pressa. Sinto que na altura certa terei uma oportunidade. Jogar na equipa principal é um objetivo de todos os meus atuais colegas da B, mas não é uma obsessão. Ter muita pressa pode não ser bom.

– Jorge Jesus já falou consigo? O que lhe disse?

– Sim. Já falámos. Disse-me que tenho de trabalhar muito e ter um grande espírito de sacrifício para conseguir atingir os meus objetivos.

- Vai integrar o plantel principal do Sporting na próxima época. Sente-se confiante em garantir um lugar na equipa de Jorge Jesus?

–Como já disse, não tenho pressa. A única coisa que prometo será trabalhar para tentar aproveitar as oportunidades que me forem dadas.

- Bas Dost é o melhor marcador da Europa. Já conversaram? O que é que ele lhe disse?

– É muito bom para ele e para o Sporting estar a marcar muitos golos. Oxalá consiga ser o melhor marcador da Europa. Penso que vai conseguir. Não falámos muito. Quando se treina, estamos focados nisso. Mas vejo com atenção tudo o que ele faz, embora eu seja um jogador diferente. Bas Dost é o melhor avançado em Portugal.

–Quem são os jogadores que tem como referências e gostaria de atingir o seu nível?

– Todos têm como referência Cristiano Ronaldo e todos sonham chegar ao nível dele. É uma referência mundial e
foi formado aqui no Sporting. Quem não o tem como referência?

– Bruno de Carvalho levou-o a Angola. Acredita que a sua ligação ao Sporting vai permitir ao clube uma maior implantação em Angola?

– Sim. Fala-se muito do Sporting em Angola. A inauguração da Academia no complexo Norberto de Castro foi uma festa muito bonita. É importante que o Sporting leve o seu conhecimento para o futebol angolano. Penso que, no futuro, será mais fácil que apareçam jogadores com muita qualidade para terem sucesso no futebol internacional.

- Sente que é uma aposta do presidente?

– Sinto que sou uma aposta do Sporting.

- Bruno de Carvalho é um presidente considerado por muitos polémico e rigoroso. Como é a vossa relação?

– É boa e de grande respeito. O presidente é um homem que, tal como cada um dos que vivem o Sporting, apenas quer o melhor para o clube.

- Já sentiu a rivalidade entre Sporting, Benfica e FC Porto. Já sonha com esses jogos?

– Todos sonham, mas para o conseguir há muito trabalho para fazer. A seu tempo os objetivos serão atingidos.

- Sente que consigo o Sporting pode chegar ao título?

– Não tenho dúvidas de que o Sporting será campeão brevemente e vai sê-lo não apenas com um jogador, mas com todo um grupo.

– Nos seus sonhos, até onde acha que pode chegar?

– O sonho comanda a vida, mas os pés têm de estar assentes na terra e a cabeça no sítio. Se a cabeça está no céu, podemos ter pesadelos. Vou sonhando etapa a etapa e a próxima passa por conseguir mostrar todo o meu valor no Sporting. Depois veremos o que acontece.

"Mantorras? Respeito mas sou o Gelson Dala"

- Mantorras, o último grande jogador angolano, fez carreira no Benfica. Porquê a escolha pelo Sporting?

– Tenho a consciência de que o Sporting era a melhor opção. É o melhor clube que existe em Portugal, não só pela sua grandeza, mas também pela forma como se trabalha e pela forma como as pessoas acompanham não só o jogador, mas também o homem. Isso para mim é muito importante.

– É verdade que o Benfica tentou a sua contratação?

– Pouco importa o que está para trás. Sou do Sporting.

– Sente que pode ser ainda melhor do que o Mantorras?

– Temos características muito diferentes. O Mantorras deixou a sua marca numa determinada época, e merece respeito e admiração, mas eu sou o Gelson Dala.

– Como se define?

– Não gosto de falar de mim. Prefiro que sejam outras pessoas a fazê-lo.

–Qual é a sua maior qualidade?

– Quando jogo, gosto de ser solidário com a equipa. Como pessoa prezo muito a amizade.

– Em Angola esperam muito de si. É uma pressão extra ou é apenas mais uma motivação para ter sucesso no Sporting?

– Ainda sou novo. Tenho muito para aprender e muito para dar ao futebol. A seu tempo se verá o patamar onde conseguirei chegar. A liderança faz-se com experiência, que ainda estou a adquirir. Daqui por uns anos poderemos voltar a falar e você retirará as suas conclusões.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)