Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Gil Vicente com orçamento para jogar na 1.ª Liga

"Vencemos todos os sete recursos ao longo de 10 anos", diz o clube
8 de Julho de 2016 às 15:03
"O Gil Vicente está como um preso na cadeia há 10 anos, a quem dizem que, afinal, tinha razão. Portanto, não se lhe pode dizer, agora, para aguentar mais um ano", atirou Fiúza
'O Gil Vicente está como um preso na cadeia há 10 anos, a quem dizem que, afinal, tinha razão. Portanto, não se lhe pode dizer, agora, para aguentar mais um ano', atirou Fiúza FOTO: José Moreira
Os sócios do Gil Vicente reunidos em assembleia-geral na quinta-feira à noite aprovaram o orçamento para 2016/2017, de quase 3,9 milhões de euros, feito a pensar na inclusão do clube na I Liga de futebol.

"Como o Tribunal Administrativo de Lisboa decidiu a nosso favor e a Federação Portuguesa de Futebol acatou a decisão e intimou a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) para repor o Gil Vicente na I Liga já esta época, a Direção entendeu que o orçamento deveria ser de I Liga", afirmou António Fiúsa, no discurso a que a Lusa teve acesso.

O presidente apelou aos pouco mais de 50 associados presentes para continuarem confiantes, uma vez que o Tribunal deu razão ao clube no denominado 'caso Mateus'. "O Gil Vicente venceu todos os sete recursos que, ao longo de dez anos, a Federação e a LPFP foram metendo. Por isso devemos estar felizes", afirmou.

Relativamente ao recurso apresentado pelo Belenenses, clube que há 10 anos esteve na base da despromoção administrativa do Gil Vicente, o presidente do emblema de Barcelos disse que o analisou juntamente como o departamento jurídico.

"Até deu para nos rirmos. Agora vamos analisar para vermos o que podemos fazer em relação ao Belenenses e à LPFP. Estamos até a ponderar pedir a anulação do recurso", afirmou.

"O Belenenses não é parte decisória no processo, por isso só não vamos para a I Liga se a LPFP não nos deixar. São as instâncias desportivas, Federação e a LPFP que nos têm de pôr na I Liga, não é o Belenenses", acrescentou Fiusa, sublinhando que o Gil Vicente ainda terá de ser indemnizado.

Em agosto de 2006, o Gil Vicente, depois de ter assegurado a permanência, foi despromovido administrativamente à II Liga, devido à utilização do internacional angolano Mateus, quando o futebolista estava impedido por ter atuado com estatuto de amador, na época imediatamente anterior, ao serviço do Lixa.

Na altura, a Comissão Disciplinar da LPFP sancionou o clube minhoto com a descida de divisão, após uma queixa do Belenenses, que o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol ratificou, impedindo ainda os gilistas de participarem na Taça de Portugal, assim como nos campeonatos de juniores e iniciados.

O Gil Vicente recorreu destas decisões para os tribunais administrativos, alegando a nulidade das sanções aplicadas, algo que foi agora confirmado pela sentença do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, proferida a 25 de maio, da qual o Belenenses recorreu.


Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)