Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Aviso para buraco de 12 mil milhões

Ministra reafirma que não há decisão sobre o corte nas pensões.
José Rodrigues 28 de Maio de 2015 às 01:00
Maria Luís Albuquerque queixa-se de a oposição não ouvir aquilo que ela diz
Maria Luís Albuquerque queixa-se de a oposição não ouvir aquilo que ela diz FOTO: João Relvas / Lusa
A ministra das Finanças reafirmou ontem, no Parlamento, que "não há nenhuma decisão de cortar 600 milhões de euros nas pensões", mas lembrou que o problema da sustentabilidade da Segurança Social "não deixou de existir". E apelou ao PS para um compromisso. Na resposta, o líder socialista, António Costa, foi perentório: "Não haverá compromisso, convergência, conciliação, ou qualquer sinónimo que seja encontrável no dicionário."

Maria Luís Albuquerque acusou a oposição de "agitar o papão da insegurança" e insistiu que não há cortes preparados. "Não ouvem aquilo que eu digo, espero que os portugueses tenham ouvido", queixou-se. A ministra tentou depois virar o jogo, acusando o PS de querer abrir um buraco de 12,4 mil milhões de euros na Segurança Social: 11 mil milhões com a descida da TSU e 1,4 mil milhões do Fundo de Estabilização Financeira para afetar à reabilitação urbana. No debate foi notório o apoio do CDS à ministra. "Não há nenhuma proposta de corte de pensões", frisou Cecília Meireles.

Também o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, esteve ao lado da governante, dizendo que a reforma da Segurança Social "precisa de consenso entre o PSD, PS e PS". Mas, tal como António Costa, Vieira da Silva referiu que um acordo para cortar pensões está fora de questão. 
Aviso buraco milhões segurança social Maria Luís Albuquerque corte
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)