Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
4

Violador de Telheiras a 7 dias da liberdade

Procurador não pediu alargamento do prazo da prisão preventiva. Sotero pode sair a 6 de Maio.
29 de Abril de 2011 às 00:30
Henrique Sotero, conhecido por violador de Telheiras, está acusado de 74 crimes. Começou a ser julgado no Campus da Justiça a 24 de Março
Henrique Sotero, conhecido por violador de Telheiras, está acusado de 74 crimes. Começou a ser julgado no Campus da Justiça a 24 de Março FOTO: Vasco Neves

Acusado de 74 crimes, entre 14 violações, sequestros, roubos e agressões, Henrique Sotero pode sair da cadeia de Lisboa já a 6 de Maio, no dia em que se esgota o prazo da prisão preventiva. Isto porque o procurador do Ministério Público no julgamento não requereu a especial complexidade do caso – que permite alargar o prazo para evitar que o violador de Telheiras não seja solto um ano e dois meses depois de ter sido preso pela PJ.

Em circunstâncias normais, o prazo de preventiva esgota-se em 14 meses se não houver condenação de primeira instância – como é o caso de Sotero, a ser julgado. Só se for decretada a especial complexidade – neste caso, tendo em conta o número de vítimas, 14, em que algumas são testemunhas – o violador continua preso. O procurador não pediu o alargamento de prazos, erro notado pelos advogados das vítimas, que fizeram agora um requerimento à pressa.

A juíza só tem uma semana para elaborar o acórdão a declarar a especial complexidade, se assim o entender – ou na próxima audiência, a 12 de Maio, o violador já estará à solta. Nessa sessão, serão ouvidas quatro das raparigas forçadas por Henrique Sotero a fazerem sexo oral.

PERITOS DIZEM QUE SOTERO VOLTARÁ A VIOLAR

 O relatório médico-pericial elaborado pelo Instituto de Medicina Legal, requerido pelo advogado de defesa de Henrique Sotero, não só confere a imputabilidade do violador de Telheiras como salienta a forte possibilidade de fazer novas vítimas. Sotero foi submetido a quatro entrevistas em que falou sobre a sua vida desde a infância. Culpou a mãe de ser "fria" de sentimentos, e de tratar melhor o irmão, e o pai de "beber demasiado". Nem mesmo a namorada escapou. "Só tínhamos sexo quando ela queria", disse aos peritos. Ana S. também foi submetida a entrevista e confirmou ter tido conhecimento dos crimes três meses antes da detenção pela Judiciária. A namorada disse que Sotero é "meigo e carinhoso". O violador continua a ser assistido por um psiquiatra particular, que o visita regularmente na cadeia. 

PAIS, NAMORADA E DIRECTOR VÃO DEFENDÊ-LO A TRIBUNAL

Ana S., a jovem de 30 anos que namora com Henrique Sotero há nove, vai ser uma das suas testemunhas de defesa no julgamento, que decorre à porta fechada dada a natureza e gravidade dos crimes. Os pais de Henrique Sotero e um ex--colega de trabalho na Zon – director de Recursos Humanos –, em Lisboa, vão também defendê-lo. Recorde-se que a namorada, que tenciona casar-se com Sotero quando este sair da prisão, foi a primeira pessoa a saber que era ele o violador de Telheiras, meses antes da PJ, e foi ela quem o aconselhou a contactar um psiquiatra. Ana é visita frequente no Estabelecimento Prisional de Lisboa. O violador está a escrever um livro e a namorada recolhe os manuscritos e leva-os para casa para passar a computador.

violador telheiras liberdade vítimas julgamento
Ver comentários