Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Abelhas são nova chave no combate ao cancro da mama. Veneno "é capaz de matar" células cancerígenas

Cientistas descobriram que a meltinina, que causa a dor quando somos picados, é eficaz a vencer doença.
Correio da Manhã 2 de Setembro de 2020 às 22:42
Abelhas
Abelhas FOTO: Getty Images

Ser picado por uma abelha (especialmente para quem é alérgico) nunca é algo particularmente bom mas, segundo uma investigação científica agora divulgada, pode ser a mais recente ‘arma’ na luta contra o cancro da mama. Cientistas australianos descobriram que um composto no veneno que é injetado pelo ferrão destes insetos, a melitina, é capaz de matar alguns tipos de células cancerígenas.

A melitina, precisamente a substância responsável pela dor que sentimos ao levar uma ‘ferroada’ de abelha, foi usada  em dois cancros da mama que são habitualmente os mais difíceis de tratar: triplo-negativo e HER2+. A descoberta, segundo relatam os responsáveis à BBC, "é excitante", mas ainda carece de mais estudos.

O estudo do Instituto Harry Perkins para a Investigação Médica, na Autrália, foi publicado na revista Nature Precision Oncology. Vem provar que o veneno das abelhas, cuja eficácia no tratamento de outros tipode de cancro já havia sido testada com sucesso, é uma ferramenta que pode ser desenvolvida para lutar contra o cancro da mama, o tipo de cancro que mais afeta mulheres em todo o mundo.

O veneno testado foi extraído de mais de 300 abelhas e zangões. Ciara Duffy, investigadora que lidera o projeto, esclarece que a substância retirada das abelhas manifestou-se "extremamente potente" e que as células cancerígenas onde se aplicou foram mortas em uma hora, com dano mínimo para as outras células. A pesquisa revelou também que a melitina foi eficaz a "desligar" ou reduzir o crescimento das células cancerígenas.

"É mais um exemplo de compostos da natureza que podem ser usados para tratar doenças humanas", disse Ciara Duffy.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)