Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
1

Enquanto uns morrem asfixiados nos hospitais do Brasil devido à Covid-19, outros vencem no negócio do oxigénio

Para evitar as idas ao hospitais, as famílias procuram agora as botijas de oxigénio para tratar familiares nas próprias casas. 
Correio da Manhã 24 de Janeiro de 2021 às 18:05
Enquanto uns morrem asfixiados nos hospitais do Brasil, outros vencem no negócio do oxigénio
Paciente tratado com oxigénio na sua casa, no Brasil
Enquanto uns morrem asfixiados nos hospitais do Brasil, outros vencem no negócio do oxigénio
Paciente tratado com oxigénio na sua casa, no Brasil
Enquanto uns morrem asfixiados nos hospitais do Brasil, outros vencem no negócio do oxigénio
Paciente tratado com oxigénio na sua casa, no Brasil
O pesadelo de morrer com falta de ar tornou-se numa realidade nos hospitais e instituições do estado brasileiro da Amazónia.

As hospitalizações têm vindo a aumentar desde o Natal, mas o mês de janeiro mostrou-se fatal. Vários centros de saúde ficaram sem oxigénio para os doentes e o número de mortos só neste estado ultrapassa já os 6.800.

Para evitar as idas aos hospitais, as famílias procuram agora as botijas de oxigénio para tratar os familiares nas próprias casas. 

As falhas de abastecimento têm provocado uma corrida ao oxigénio e, consequentemente, a abertura de um novo "mercado" na capital do estado, Manaus.

A Carboxi, uma empresa familiar de fornecimento de oxigénio, passou a atender a população que chega à sua porta com pedidos de ajuda.

Uma recarga mínima está estimada em cerca de 60 euros, o que corresponde a um valor elevado para muitos cidadãos.

"Quando a minha família adoeceu, não os trouxe para o hospital. Conheço a nossa situação, os médicos estão sobrecarregados, eu mesmo cuidei deles em casa", explica a enfermeira Yuri, do hospital 28 de Agosto, citada pelo jornal "El País".

Os médicos encontram-se atualmente a dosear a quantidade de oxigénio devido ao aumento da procura pelo mesmo.

Orellana, epidemiologista do Instituto de saúde pública da Fiocruz admite que o oxigénio "servirá para prolongar a vida de quem está gravemente doente, mas não resolve o problema".

Alguns pacientes foram transferidos para outros estados para receberem tratamento hospitalar.

Em visita aquele estado, o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, não reagiu ao problema e acabou por promover a vacinação como um alegado tratamento precoce contra a Covid-19.

A nova variante descoberta em passageiros que viajaram de Manaus para o Japão colocou já as autoridades em alerta. O Reino Unido fechou já as fronteiras aéreas com o Brasil de forma a evitar a propagação da nova estirpe.
Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Amazónia Covid-19 Brasil Manaus saúde oxigénio doentes pandemia coronavírus doentes graves hospitalizações
Ver comentários