Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Espanha eleva salário mínimo para os 900 euros

Governo socialista espanhol e o Podemos assinaram um acordo sobre o Orçamento de Estado 2019 que prevê uma subida de 22% do vencimento.
Lusa 12 de Outubro de 2018 às 09:41
Chefe de Governo espanhol, Pedro Sanchéz
Dinheiro
Pedro Sánchez
Governo de Pedro Sánchez
Chefe de Governo espanhol, Pedro Sanchéz
Dinheiro
Pedro Sánchez
Governo de Pedro Sánchez
Chefe de Governo espanhol, Pedro Sanchéz
Dinheiro
Pedro Sánchez
Governo de Pedro Sánchez
O Governo socialista espanhol e o Podemos (extrema-esquerda) assinaram esta quinta-feira um acordo sobre o projeto de Orçamento para 2019 que prevê, entre outras coisas, um aumento do salário mínimo para 900 euros e apoios à habitação.

O chefe de Governo espanhol, Pedro Sánchez, e o secretário-geral do Podemos, Pablo Iglesias, rubricaram o compromisso no Palácio da Moncloa, sede do executivo, numa cerimónia breve, depois de se terem reunido.

Madrid vai levar o anteprojeto de contas do Estado a Bruxelas antes de 15 de outubro, segunda-feira, como está previsto nas regras europeias, mas o PSOE (Partido Socialista espanhol) necessita ainda do apoio de outros pequenos partidos, entre eles os nacionalistas bascos e os independentistas catalães, para que o Orçamento para o ano que vem seja aprovado definitivamente.

O acordo prevê uma subida do salário mínimo dos atuais 735,9 euros para 900 euros e um aumento do orçamento para o plano nacional de habitação, com uma maior proteção para os inquilinos e a possibilidade de as autarquias regularem o preço dos alugueres.

O compromisso também inclui uma subida do IRS para os rendimentos superiores a 130.000 euros por ano e a aprovação de licenças de maternidade iguais e intransferíveis remuneradas e melhorias significativas nas ajudas às pessoas dependentes.

A prestação para quem tem filhos a cargo também sobe dos atuais 291 euros por ano para 473 euros, a fim de combater a pobreza infantil.

Para rever o défice ou aprovar um novo Orçamento o Governo espanhol precisa da aprovação do Congresso dos Deputados (câmara baixa do parlamento) e do Senado (câmara alta).

O PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) tem apenas 84 dos 350 deputados do Congresso dos deputados e hoje chegou a acordo com o Unidos Podemos (67 deputados incluindo o Podemos), necessitando ainda de obter o apoio de outras formações regionais mais pequenas.

A tarefa será mais difícil de alcançar no Senado, onde o Partido Popular (direita) tem a maioria absoluta dos votos e já indicou que irá votar contra.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)