Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

May recua e admite adiamento do Brexit

Líder britânica decidiu dar aos deputados a possibilidade de se pronunciarem sobre uma eventual saída da UE sem acordo.
Francisco J. Gonçalves 27 de Fevereiro de 2019 às 08:42
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
Theresa May
A primeira-ministra britânica, Theresa May, cedeu uma vez às pressões e aceitou levar a votos a possibilidade de um adiamento do Brexit, que até agora recusava frontalmente. Decidiu ainda deixar nas mãos do parlamento britânico uma decisão sobre a eventual saída da União Europeia (UE) sem acordo.

Numa decisão já criticada pelo líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, como um "grotesco e irresponsável" adiamento do Brexit, May anunciou que se no dia 12 de março o parlamento rejeitar de novo o acordo que assinou com a UE passará a palavra ao parlamento.

Assim, no dia 13, os deputados vão votar para decidir se aceitam uma saída sem acordo. Caso rejeitem essa possibilidade, votarão no dia 14 uma moção que admite o adiamento do Brexit para lá de 29 de março, data estipulada ao abrigo do Artigo 50 do Tratado sobre a União Europeia (TEU).

"Que fique bem claro que eu não quero uma extensão do Artigo 50", afirmou May, defendendo que um adiamento "não deve ir além de junho" e que o prazo não poderá ser alargado uma segunda vez.

Quanto a uma eventual saída sem acordo, May rejeitou revelar se votará contra tal possibilidade e também se pedirá disciplina de voto aos deputados conservadores nessa matéria.

O que sublinhou foi que, mesmo no caso de uma eventual extensão do Brexit, isso "não elimina a possibilidade de uma saída sem acordo". Essa possibilidade só pode ser retirada de cima da mesa "revogando o Artigo 50, algo que não farei, ou então aprovando um acordo" de Brexit.

A reviravolta da posição de May ficou a dever-se à ameaça de demissão de dezenas de membros do governo, que se opõem à possibilidade de um Brexit duro (saída sem acordo).

Muitos defendem ainda uma renegociação do acordo já assinado com a UE.

PORMENORES 
UE aceita adiamento curto
Nos corredores de Bruxelas diz-se que a UE não deverá colocar entraves a um adiamento do Brexit por alguns meses.

Corbyn quer referendo
O líder trabalhista, Jeremy Corbyn, opunha-se a um novo referendo ao Brexit mas agora defende que, ainda que o parlamento aprove o plano de Theresa May, o Brexit deve ir a voto popular "confirmatório".

Facilitar nova votação
O PM luxemburguês, Jean Asselborn, defende que a UE pode facilitar um novo referendo ao Brexit aceitando a nomeação de eurodeputados britânicos em vez da participação do Reino Unido nas eleições europeias.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)