Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Milhares de contas bloqueadas na internet em vésperas de eleições em Espanha

Investigadores desmantelam rede organizada que partilhava mensagens de ódio.
Rita F. Batista 26 de Abril de 2019 às 01:30
Representantes dos quatro principais partidos têm participado em debates
Facebook
Facebook
Representantes dos quatro principais partidos têm participado em debates
Facebook
Facebook
Representantes dos quatro principais partidos têm participado em debates
Facebook
Facebook
A poucos dias das eleições gerais em Espanha - que vão ser realizadas no domingo -, milhares de contas de várias redes sociais estão a ser alvo de bloqueio devido a tentativas de fomentar o ódio entre os eleitores, através de notícias falsas.

O Facebook eliminou várias contas ligadas à extrema-direita, que partilhavam conteúdos com um alcance de cerca de 1,7 milhões de utilizadores espanhóis. A rede social referiu, em comunicado, que os motivos foram "os seus comportamentos e não o conteúdo que colocavam".

A decisão surge após a denúncia de uma organização não governamental, que revelava a partilha de conteúdos "anti-imigração, anti- -LGBT, anti-Islão, antifeminismo e outros conteúdos criadores de clivagens", bem como de factos falsos.

O partido Podemos viu a sua conta WhatsApp [rede social ligada ao grupo Facebook] ser bloqueada por contactar diretamente com eleitores e, assim, levar a cabo uma campanha eleitoral na internet. Algo que, aos olhos dos administradores do Facebook, não é permitido.

A rede social Twitter não escapou à onda de bloqueios. Uma alegada rede organizada que criava contas falsas foi desmantelada e todas as contas detetadas foram eliminadas. De acordo com o diário ‘El País’, a descoberta foi feita por investigadores britânicos que detetaram mais de três mil utilizadores falsos que partilhavam, a partir da Venezuela, mensagens de ódio ao Islão e a favor do partido de extrema-direita Vox.

A questão independentista da Catalunha é um dos temas que provoca maior fricção entre os partidos. "Não é não. Não vai haver referendo nem independência, nunca", afirmou esta quinta-feira Pedro Sánchez, líder do Governo e do PSOE. Várias agências internacionais apontam para uma vitória sem maioria dos socialistas e admitem a chegada ao Parlamento dos deputados extremistas do Vox.

SAIBA MAIS 
36,9
milhões é o número de eleitores que podem votar nas eleições gerais de domingo.

Eleições antecipadas
Pedro Sánchez tomou a decisão de avançar para eleições antecipadas por não obter apoio suficiente para aprovar o Orçamento do Estado.

O que vai ser decidido
Em disputa estão 350 assentos do Congresso e 208 (dos 266) assentos do Senado. É necessário que um partido consiga eleger 176 deputados para ter direito a formar Governo.
Governo WhatsApp Facebook Espanha Twitter LGBT Venezuela Podemos El País Islão PSOE Vox Catalunha
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)