Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Milhares na rua contra "traição" de Sánchez

Rompimento das negociações entre o governo socialista e os independentistas catalães não travou revolta contra cedências do primeiro-ministro.
Ricardo Ramos 11 de Fevereiro de 2019 às 01:30
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Milhares de pessoas juntam-se em Madrid para exigir demissão de Pedro Sánchez
Dezenas de milhares de pessoas encheram este domingo o centro de Madrid para exigir a demissão do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, que acusam de "traição" por negociar com os independentistas da Catalunha.

A manifestação, que foi convocada em conjunto pelo Partido Popular e pelo Cidadãos e contou com o apoio do partido de extrema-direita Vox, não teve bandeiras partidárias e decorreu sob o lema ‘Por uma Espanha unida - Eleições já!’.

Este foi o maior protesto contra o governo de Sánchez desde que este assumiu o poder em junho do ano passado, e surge dias antes da crucial votação do Orçamento do Estado, cujo chumbo provocará a queda do executivo, que não tem maioria no Parlamento e depende do apoio do Podemos e dos partidos separatistas catalães.

A oposição acusa Sánchez de ceder às exigências dos independentistas, principalmente ao aceitar um ‘relator’ neutral para supervisionar o diálogo, e nem o facto de o próprio Sánchez ter dado como rotas as negociações com os separatistas na sexta-feira demoveu o PP e o Cidadãos, que acusam o primeiro-ministro de "trair", "humilhar" e "apunhalar pelas costas" o Estado e a Constituição.

"O tempo de Sánchez acabou. Chega de rendição socialista e chantagem independentista", afirmou o líder do PP, Pablo Casado.

Julgamento de separatistas agrava tensão
A manifestação surge numa altura em que a tensão entre Madrid e a Catalunha está ao rubro devido ao início, esta terça-feira, do julgamento dos 12 dirigentes separatistas catalães acusados de rebelião e desvio de fundos públicos por causa da organização do referendo ilegal de 2017 na Catalunha.

Os principais acusados - Oriol Junqueras, Raul Romeva, Jordi Turull e Jordi Cuixart, entre outros - arriscam penas de até 25 anos de cadeia e os separatistas já avisaram que a sua condenação "agravará ainda mais a crise".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)