Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar

Degelo na Gronelândia e na Antártida está a elevar em média o nível dos oceanos em mais de um milímetro por ano.
15 de Setembro de 2018 às 07:33
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
NASA lança satélite que vai medir ao detalhe alterações no gelo polar
A agência espacial norte-americana NASA lançou este sábado um satélite que irá medir as alterações no gelo polar da Terra com um detalhe sem precedentes, permitindo conhecer melhor os efeitos do aquecimento global.

O lançamento do ICESat-2 foi feito da base militar de Vandenberg, na Califórnia, nos Estados Unidos, às 08h46 locais (13h46 em Lisboa).

O novo satélite, que vai dar continuidade às observações iniciadas pelo seu antecessor, o ICESat-1, cuja missão terminou em 2009, está equipado com o instrumento 'laser' mais avançado para este tipo de observações, possibilitando medições com um "detalhe sem precedentes", de acordo com a NASA.

O ICESat-2 vai registar a alteração média anual da altura de gelo que cobre a Gronelândia e a Antártida, com uma margem de até quatro milímetros (largura de um lápis), obtendo 60 mil medições por segundo.

Segundo a NASA, o degelo na Gronelândia e na Antártida está a elevar em média o nível dos oceanos em mais de um milímetro por ano.

O satélite vai medir também as alterações na espessura e no volume do gelo do Oceano Ártico, cuja área diminuiu em 40% desde 1980.

Ao atravessar a Terra, de polo a polo, o engenho vai monitorizar a cota de gelo nas regiões polares quatro vezes por ano, fornecendo dados sobre as mudanças ocorridas sazonalmente.

O instrumento 'laser' com o qual o ICESat-2 está munido - o Sistema Avançado de Altímetro a Laser Topográfico (ATLAS, na sigla em inglês) - mede a altura cronometrando o tempo que fotões de luz demoram a viajar do satélite até à superfície da Terra e a voltar para trás.

Para a agência espacial norte-americana, os dados do ICESat-2 poderão contribuir para o avanço do conhecimento sobre o impacto do degelo na subida do nível do mar e no aumento da temperatura, efeitos das alterações climáticas.

O satélite está ainda preparado para medir a altura da superfície oceânica e terrestre, incluindo os topos das árvores das florestas (que, em conjunto com a informação existente sobre a área florestal global, possibilitam aos cientistas estimarem a quantidade de dióxido de carbono armazenada nas florestas).
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)