Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Papa Francisco diz que padres gays devem ser celibatários ou então devem sair do sacerdócio

Pontífice está "preocupado" com a questão da homossexualidade no clero.
2 de Dezembro de 2018 às 17:09
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
Papa Francisco
O Papa Francisco está "preocupado" com a questão da homossexualidade no clero que diz ser "muito séria". Para o homem do clero, homens com tendências homossexuais não deveriam ser admitidos no clero católico romano, e seria melhor para os padres que são ativamente gays abandonarem o sacerdócio ao invés de levar uma vida dupla. 

Os comentários sobre a orientação sexual do clero foram feitos numa entrevista, com cerca de quatro horas, com o padre e missionário espanhol Fernando Prado. A entrevista, realizada em agosto, foi transcrita e transformada num livro.

Em "A força da vocação", o papa Francisco revela que na nossa sociedade "a homossexualidade está na moda e essa mentalidade, de alguma forma, também influencia a vida da igreja". 

A posição da Igreja Católica prende-se com as tendências homossexuais não serem pecaminosas em si, mas sim os atos homossexuais. Esta posição não é novidade. Em 2016, um decreto sobre a formação para padres católicos romanos enfatizou a obrigação da abstinência sexual, bem como a proibição de homens gays e aqueles que apoiam a "cultura gay" de ordens sagradas.

"Na vida consagrada e sacerdotal, não há espaço para esse tipo de afeto. Portanto, a igreja recomenda que as pessoas com esse tipo de tendência enraizada não sejam aceites no ministério ou na vida consagrada", explicou o pontífice.

"Temos que incitar os padres homossexuais, religiosos e religiosas a viver o celibato com integridade e, acima de tudo, que sejam impecavelmente responsáveis, tentando nunca escandalizar o fiel povo santo de Deus", disse o papa. Caso esse celibato não acontecesse, Francisco afirma que "é melhor para eles deixar o sacerdócio do que viver uma vida dupla".

O livro "A força da vocação" foi traduzido em 10 idiomas e vai ser publicado esta segunda-feira.

 

 

Papa Francisco padre Fernando Prado missionário espanhol pontífice Igreja Católica Deus religião
Ver comentários