Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Polícia avança para travar referendo na Catalunha

Catorze responsáveis do governo autónomo detidos e milhões de boletins de voto apreendidos.
Francisco J. Gonçalves 21 de Setembro de 2017 às 08:30
Independentistas cercaram edifícios oficiais para tentar travar ação policial
Boletim proposto para o referendo sobre a independência na Catalunha
Boletins de voto para o referendo, encontrados na Catalunha
Guardia Civil fez detenções na Catalunha
Independentistas cercaram edifícios oficiais para tentar travar ação policial
Boletim proposto para o referendo sobre a independência na Catalunha
Boletins de voto para o referendo, encontrados na Catalunha
Guardia Civil fez detenções na Catalunha
Independentistas cercaram edifícios oficiais para tentar travar ação policial
Boletim proposto para o referendo sobre a independência na Catalunha
Boletins de voto para o referendo, encontrados na Catalunha
Guardia Civil fez detenções na Catalunha
A Guardia Civil espanhola prendeu ontem 14 pessoas em Barcelona e fez buscas em edifícios do governo autónomo durante uma operação para travar o referendo separatista de 1 de outubro na Catalunha. O presidente do governo catalão, Carles Puigdemont, acusa o executivo espanhol de "ultrapassar a linha vermelha que o separava de regimes autoritários" e diz que foi aplicado "o estado de exceção".

Puigdemont disse ainda que estão a ser "violados os direitos fundamentais" dos catalães e os princípios democráticos e assegura que nada impedirá a Catalunha de decidir. "Isto é algo que não se vê numa democracia ocidental há décadas", afirmou, por seu lado, Oriol Junqueras, vice-presidente do governo catalão.

A maioria dos detidos integram as instituições catalãs, estando entre eles Josep Maria Jové, assessor de Junqueras. São acusados de desobediência, malversação de fundos públicos e outros delitos.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, culpa Puigdemont de "ir contra a lei" e considera a atuação das forças da ordem "proporcional e moderada".

A polícia fez buscas em vários edifícios oficiais e apreendeu milhões de folhetos, boletins de voto e outro material. Milhares de pessoas contestaram nas ruas a operação gritando "Não temos medo" e "Votaremos".
Ver comentários