Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Prémio Nobel da Química para desenvolvimento de baterias de iões de lítio

Vencedores são John B. Goodenough, M. Stanley Whittingham e Akira Yoshino.
Correio da Manhã e Lusa 9 de Outubro de 2019 às 10:50
Prémio Nobel da Química para desenvolvimento de baterias de iões de lítio
Os prémios Nobel
Prémio Nobel da Química para desenvolvimento de baterias de iões de lítio
Os prémios Nobel
Prémio Nobel da Química para desenvolvimento de baterias de iões de lítio
Os prémios Nobel
O Prémio Nobel da Química 2019 foi esta quarta-feira atribuído a três cientistas pelo desenvolvimento de baterias de iões de lítio.

O prémio foi atribuído a John B. Goodenough, M. Stanley Whittingham e Akira Yoshino, anunciou a Real Academia das Ciências sueca.

O anúncio do prémio foi feito esta quarta-feira de manhã em Estocolmo, na Suécia, pelo secretário geral da Academia, Goran Hansson.

"As baterias de iões de lítio revolucionaram as nossas vidas e são usadas em tudo, desde telemóveis a computadores portáteis e veículos elétricos. Através do seu trabalho, os laureados deste ano em Química fizeram os alicerces de uma sociedade sem fios e livre de combustíveis fósseis", justificou a Academia.

As baterias de lítio são "usadas globalmente para alimentar os aparelhos eletrónicos portáteis usados para comunicar, trabalhar, estudar, ouvir música e procurar conhecimento", além de terem possibilitado "o desenvolvimento de automóveis elétricos de longo alcance e o armazenamento de energia proveniente de fontes renováveis, como a solar e eólica".

M. Stanley Wittingham, da universidade norte-americana de Binghamton, nasceu no Reino Unido em 1941, e na década de 1970, em plena crise do petróleo, "começou a investigar supercondutores e descobriu um material extremamente rico em energia, que usou para criar um cátodo inovador numa bateria de lítio".

O americano John B. Goodenough, nascido na Alemanha em 1922, é o mais velho laureado com o Nobel e "previu que o cátodo poderia ter ainda mais potencial se usado com um óxido de metal em vez de um sulfureto de metal", duplicando a voltagem das baterias de dois para quatro volts.

Quanto ao japonês Akira Yoshino, professor nas universidades de Osaka e Meijo, criou "a primeira bateria de iões de lítio comercialmente viável em 1985", uma bateria "leve e resistente que podia ser carregada centenas de vezes antes de se deteriorar".

Ao telefone durante a conferência de imprensa de anúncio do prémio, Yoshino afirmou que a curiosidade foi o que o moveu na sua procura de uma nova forma de armazenamento de energia.

Retirou das baterias o lítio puro, deixando iões de lítio, que são mais seguros, abrindo caminho para a sua comercialização, que aconteceria em 1991.

"A vantagem de baterias de iões de lítio é que não se baseiam em reações químicas, mas em iões de lítio que fluem entre os elétrodos", salienta a Academia num comunicado.

ciência e tecnologia Prémio Nobel Química baterias prémios investigação Mundo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)