Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
4

Separação deixou piloto deprimido

Copiloto terá ocultado doença e baixa médica.
I.F. e Mafalda Carvalho 28 de Março de 2015 às 09:55
Como o piloto pode ter ficado fechado fora do cockpit

Andreas Lubitz, o copiloto de 28 anos que terá despenhado deliberadamente o avião da Germanwings, estaria a atravessar uma grave crise emocional. Suspeita-se de que terá sido incapaz de superar a separação recente da namorada, com quem mantivera uma relação de sete anos e planeava casar-se no próximo ano.

Nas buscas à casa do copiloto alemão foram encontrados documentos médicos que sugerem uma doença preexistente e tratamento que, segundo a Procuradoria de Düsseldorf, reforçam a ideia de que Lubitz sofria de uma grave depressão. Foi ainda confirmada a existência de uma baixa médica que abrangia o dia do acidente. O documento terá sido rasgado e ocultado da companhia aérea. Há ainda suspeitas de que Andreas Lubitz deixara de tomar a medicação que lhe fora prescrita, para que não fosse detetada em exames. "O piloto passou todos os testes e exames médicos (…) Estava apto a 100% para voar sem restrições", explicou Carsten Spohr, diretor executivo da Lufthansa, que detém a Germanwings.

O Hospital Universitário de Düsseldorf confirmou ter seguido Lubitz nos últimos dois meses, mas não por motivos de depressão. Sabe-se apenas que tinha sido submetido a tratamento e deveria ser reavaliado antes de voltar a voar.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)