Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Vendeu detector de bombas falso

Um empresário britânico foi detido por ter vendido a vários países, entre os quais o Iraque, milhares de detectores de explosivos que não funcionam. A ousada fraude poderá ter feito centenas de vítimas.
24 de Janeiro de 2010 às 00:30
Detectores de explosivos vendidos por Jim McCormick são usados no Iraque
Detectores de explosivos vendidos por Jim McCormick são usados no Iraque

A empresa britânica ATSC, presidida pelo empresário Jim Mc-Cormick, agora detido, vendeu milhares de dispositivos ADE-651 a vários países, garantindo que o chip contido nos aparelhos era capaz de detectar a presença de explosivos em veículos ou pessoas, ajudando as autoridades a travar atentados terroristas. Um dos seus principais clientes foi o governo iraquiano, que comprou milhares de detectores a 35 mil euros cada, num contrato que rondou os 60 milhões de euros. Os dispositivos foram distribuídos pelas forças de segurança e são usados em praticamente todos os check-points e barreiras policiais do país.

O problema, segundo a BBC, é que os detectores não passam de uma fraude. A falta de eficácia dos dispositivos, que não conseguiram travar uma recente onda de ataques em Bagdad, levou os responsáveis de um programa da TV britânica a pedirem a um laboratório para analisar os detectores, tendo os peritos descoberto que em vez do anunciado chip detector de explosivos os aparelhos têm apenas uma placa electrónica igual à usada nos alarmes das lojas.

A fraude poderá ter custado a vida a centenas de pessoas, uma vez que os bombistas conseguiram sempre passar facilmente pelos controlos de segurança supostamente protegidos pelos detectores de explosivos. n *com agências

OBAMA SEGUE POLÍTICA DE BUSH

Um ano após a assinatura, pelo presidente norte-americano, Barack Obama, do decreto que ordenava o encerramento do centro de detenção de Guantanamo, em Cuba, no prazo de um ano, a Casa Branca admite agora que 50 prisioneiros poderão permanecer alidetidos por tempo indeterminado e sem acusação formada. Obama mantém assim uma das políticas antiterroristas do anterior presidente George W. Bush – a detenção indefinida de suspeitos sem julgamento – que tanto criticou. Este recuo surge depois de o grupo de trabalho criado por Obama para rever a situação de cada prisioneiro de Guantanamo ter considerado que 50 dos presos ali detidos são demasiado perigosos para serem libertados, mas também não podem ser julgados num tribunal civil, por falta de provas.

APONTAMENTOS

NEGLIGÊNCIA CRIMINOSA

O falso detector de explosivos foi vendido a duas dezenasde países, alguns dos quaisdo Médio Oriente, e tambémà Tailândia. Calcula-se que os detectores de bombas não evitaram uma série de atentados terroristas que, no total, mataram centenas de pessoas.

NUNCA FOI TESTADO

O ADE-651, que nunca foi submetido a quaisquer provas científicas, é de uso manual e funciona sem bateria e com uma pequena antena. A antena está ligada a uma caixa que, segundo o fabricante, contém um chip capaz de detectar substâncias explosivas.

BAGDAD INVESTIGA

O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, ordenou uma investigação aos detectores comercializados pelo empresário britânico, os quais foram utilizados na maioria dos postos de controlo de Bagdad. Os resultados da investigaçãoserão brevemente conhecidos.

Ver comentários