Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Assembleia Municipal de Espinho aprova orçamento

Mais de 100 pessoas concentraram-se no largo da Câmara após um apelo ao "Movimento Pacífico pelo Estádio Municipal de Espinho".
27 de Fevereiro de 2019 às 07:06
Assembleia Municipal de Espinho aprova orçamento
Assembleia Municipal de Espinho aprova orçamento
Assembleia Municipal de Espinho aprova orçamento
Assembleia Municipal de Espinho aprova orçamento
Assembleia Municipal de Espinho aprova orçamento
Assembleia Municipal de Espinho aprova orçamento
A Assembleia Municipal de Espinho, cuja sessão de terça-feira à noite foi descrita como "uma das mais participadas de sempre", aprovou um orçamento de 36,7 milhões de euros para 2019.

A reunião foi a segunda em que os deputados locais tiveram oportunidade de votar as propostas do Executivo camarário liderado pelo PSD, depois de um primeiro chumbo em dezembro de 2018.

O novo documento foi agora aprovado com 12 votos a favor pelos nove eleitos do PSD, os dois presidentes das juntas de Freguesia de Espinho e de Paramos, e o deputado do BE.

Os votos contra foram de sete vogais do PS, um da CDU e um do movimento Pela Minha Gente (PMG), enquanto as abstenções couberam a um eleito do PMG e aos presidentes das juntas de Silvalde e da União de Freguesias de Anta e Guetim. O socialista João Carapeto ausentou-se da sala durante a votação por se opor aos procedimentos.

Para o vice-presidente da autarquia e responsável pela gestão financeira, Vicente Pinto, ficou assim viabilizado um conjunto de investimentos que, no total, têm já quase 13 milhões de euros aprovados em apoios comunitários.

A lista inclui a requalificação do canal ferroviário e da Escola EB23 Sá Couto, a criação da rede local de ciclovias, a renovação da rede de água e saneamento, e a comparticipação financeira do novo quartel dos bombeiros, entre outros projetos.

O autarca social-democrata realçou que o orçamento não facilita apenas "um programa de obras: é também um programa que apoia mais as famílias, por reforçar o cheque-educação, implementar o cheque-natalidade e o alargamento do fundo social de emergência".

O deputado do BE António Andrade, que na terça-feira deu parecer favorável ao orçamento do PSD, depois de em dezembro o ter reprovado, explicou a alteração do voto.

"Em consciência, devo aprovar este orçamento porque há um interesse maior em causa, que é a concretização do quartel dos bombeiros, sob pena de eles poderem perder aquilo que já investiram [se a Câmara ficasse impedida de assegurar a comparticipação com que se comprometeu]", disse.

Henrique Cierco, do PMG, também justificou a sua abstenção, alegando que, apesar de o segundo orçamento proposto pelo PSD se manter "omisso em alguns aspetos cruciais", o Executivo camarário "ainda merece o benefício da dúvida".

Cierco criticou ocorrências que precederam a presente sessão da Assembleia, como a colagem de cartazes anónimos e de tom descrito como "de intimidação e terror" na residência de alguns deputados, que começaram por se opor ao orçamento.

"Em pleno século XXI e com uma democracia consolidada", é lamentável que dirigentes de diversas instituições da cidade "tenham vindo para o espaço público e para as redes sociais tentar condicionar a opinião dos vogais da Assembleia", disse.

Antes do início da sessão, mais de 100 pessoas concentraram-se no largo da Câmara, na sequência de um apelo que circulou na internet sob o nome "Movimento Pacífico pelo Estádio Municipal de Espinho". O equipamento, propriedade da autarquia, deverá ser cedido ao Sporting Clube de Espinho como casa-mãe.

Na praça reuniram-se atletas e apoiantes do clube, entre os quais o presidente da coletividade. Para Bernardo Gomes de Almeida, a criação do novo estádio, cujo financiamento comunitário ficaria em risco se o orçamento municipal não fosse aprovado, era "uma questão de vida ou morte".

Em declarações à Lusa, o responsável explicou: "Já é muito triste termos perdido o velhinho estádio [Comendador Manuel Violas], onde jogávamos há 92 anos, e estarmos no estádio emprestado do Fiães Sport Clube [no concelho de Santa Maria da Feira]. Agora o novo estádio é uma questão de vida ou morte para o clube, porque já é tempo de, uma vez por todas, acabarmos com as promessas que nos vêm fazendo há mais de 40 anos e finalmente concretizarem a obra".

A esse propósito, José Carvalhinho, o eleito do PMG que votou contra o orçamento, afirmou na Assembleia que o orçamento autárquico de 2018 já previa 484.000 euros para o estádio e que, desse montante, a Câmara só gastou 12%" nesse ano.

"Nessa altura não vi o Sporting Clube de Espinho a mandar vir nem a fazer manifestações à porta da Câmara por ela não ter cumprido o que prometeu", considerou.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)