Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Ana Gomes formaliza candidatura às Presidenciais e prevê gastar 50 mil euros na campanha

Diplomata e ex-eurodeputada criticou cúpula do PS e assumiu-se do "socialismo democrático".
Lusa 23 de Dezembro de 2020 às 16:55
Ana Gomes é candidata à presidência
Ana Gomes é candidata à presidência FOTO: MÁRIO CRUZ
A candidata presidencial Ana Gomes anunciou esta quarta-feira que o orçamento da sua campanha ao Palácio de Belém ronda os 50 mil euros, sublinhando haver um limite de até 100 euros por contribuinte individual.

A diplomata e ex-eurodeputada do PS respondia a questões dos jornalistas após entregar mais de 8.000 assinaturas de cidadãos eleitores no Tribunal Constitucional, em Lisboa.

"Apresentámos um orçamento baixo, mas realista. Somos a única campanha - de que eu tenha conhecimento - que, ao contrário do previsto na lei - que permite contribuições individuais até 26 mil euros -, a minha tem um limite de até 100 euros por pessoa", afirmou.

A candidata presidencial Ana Gomes assumiu-se esta quarta-feira como representante do "socialismo democrático", reiterando críticas aos dirigentes do PS pela liberdade de voto dada aos militantes nas eleições de 24 de janeiro.

A ex-eurodeputada, de 66 anos, formalizou o processo de candidatura a Belém com 8.320 assinaturas certificadas por juntas de freguesia, no Tribunal Constitucional, em Lisboa, embora tenha reunido "mais de 10.000", num processo de recolha em suporte de papel que considerou "obsoleto e kafkiano", pois o Ministério da Administração Interna (MAI) tem toda a informação centralizada.

"Se eu não estivesse aqui, não haveria um candidato do campo do socialismo democrático, fazendo a convergência de todos os que defendem a democracia", sublinhou, lamentando a "decisão triste de alguns dirigentes do partido que, no fundo, incentivaram os militantes a votarem no candidato de direita [o atual chefe de Estado Marcelo Rebelo de Sousa]".

o PS decidiu que a orientação para estas eleições presidenciais será a liberdade de voto, sem indicação de candidato preferencial. Contudo, Ana Gomes já recebeu apoio público de figuras como o histórico Manuel Alegre, o antigo eurodeputado Francisco Assis, o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, ou o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro.

A antiga embaixadora portuguesa em Jacarta disse estar "bem acompanhada" por "muitos socialistas", "independentes", bem como pelos partidos PAN e Livre.

Ladeada pela sua mandatária nacional, a filha dos fundadores do PS Mário Soares e Maria Barroso, Isabel Soares, a candidata sublinhou tratar-se de "uma grande honra e prazer" gozar do apoio de "uma grande mulher e educadora".

"Socialista, de esquerda!", fez questão de vincar também a diretora do Colégio Moderno.

Ana Gomes considera que "há demasiado encosto" de Marcelo ao Governo
Ana Gomes criticou a relação institucional do atual chefe de Estado com o primeiro-ministro, dizendo que ora "há demasiado encosto", ora há "tapete retirado".

"Os portugueses veem que há demasiado encosto, onde deveria haver respeito pela separação de poderes", criticou, num primeiro momento, após formalizar a sua candidatura ao Palácio de Belém, no Tribunal Constitucional, em Lisboa.

A diplomata e ex-eurodeputada socialista, que não obteve o apoio do seu partido na corrida a Belém, prosseguiu depois as críticas àquele que apelidou de "candidato da direita", Marcelo Rebelo de Sousa.

"E, por vezes, há não só oposição como, inclusivamente, costas voltadas e até tapete retirado, sobretudo da parte do Presidente da República em relação ao Governo", argumentou.

Ana Gomes Presidenciais Palácio de Belém política partidos e movimentos
Ver comentários