Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

CGTP não vê necessidade de eleições antecipadas mas exige novo salário mínimo em janeiro de 2022

Isabel Camarinha sublinhou que há "um conjunto de matérias que o Governo vai poder continuar a executar".
Lusa 29 de Outubro de 2021 às 20:47
Isabel Camarinha
Isabel Camarinha FOTO: Manuel de Almeida/Lusa
A secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha, considerou esta sexta-feira que há matérias a que o Governo continua a ter de dar resposta, mesmo com o parlamento dissolvido, defendendo ser "fundamental" que haja um novo salário mínimo em janeiro de 2022.

"Independentemente da decisão do senhor Presidente da República de dissolver ou não a Assembleia da República e convocar eleições antecipadas, há respostas que continuam a ser necessárias", referiu Isabel Camarinha esta sexta-feira, no Palácio de Belém, no final de uma audiência com o Presidente da República.

Sublinhando que há "um conjunto de matérias que o Governo vai poder continuar a executar", a secretária-geral da CGTP considerou o aumento do salário mínimo nacional (SMN) "fundamental" e defendeu que "terá de haver aumento do SMN em 2022, em janeiro".

Depois de precisar que para a CGTP não há necessidade de eleições antecipadas, Isabel Camarinha referiu, contudo, que não discutiu essa questão com o Presidente da República, afirmando que esta audiência - convocada por Marcelo Rebelo de Sousa - serviu para ouvir a opinião da central sindical.

Focando-se nos problemas que afetam os trabalhadores, a líder da CGTP sublinhou a necessidade de lhes ser dada resposta e assinalou não haver motivos, face à atual situação política, para cancelar as ações de luta que estão marcadas.

"Os trabalhadores têm de manifestar a sua exigência de que essa resposta seja dada e por isso têm todo o sentido e mantêm-se as razões todas que nos levaram a decidir a realização da manifestação nacional [no dia 20 de novembro]", precisou, acrescentando que, na sua opinião, também se mantêm os motivos para a realização a greve nacional da função pública, convocada pela Frente Comum para 12 de novembro, tendo, contudo, ressalvado, que essa decisão compete aos sindicatos dos trabalhadores da administração pública.

O Presidente da República está esta sexta-feira a ouvir os parceiros sociais, com as audiências a começarem pelas quatro confederações patronais, que foram recebidas em conjunto por Marcelo Rebelo de Sousa.

Depois da CGTP, Marcelo Rebelo de Sousa recebe ainda a UGT e o presidente do Conselho Económico e Social (CES), Francisco Assis.

O parlamento 'chumbou' na quarta-feira, na generalidade, o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) com os votos contra do PSD, BE, PCP, CDS-PP, PEV, Chega e IL, abrindo caminho a eleições legislativas antecipadas.

O PS foi o único partido a votar a favor da proposta orçamental, que mereceu as abstenções do PAN e das duas deputadas não-inscritas, Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

Antes da votação, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já tinha avisado que perante um chumbo do OE2022 iria iniciar "logo, logo, logo a seguir o processo" de dissolução do parlamento e de convocação de eleições legislativas antecipadas.

Para dissolver a Assembleia da República, o Presidente tem de ouvir os partidos parlamentares, o que acontece no sábado, e o Conselho de Estado, que se reúne na quarta-feira.

Ver comentários