Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Aeroporto de Lisboa ficou sem abastecimento de combustível às 12h00

ANA já tinha admitido antes possíveis "disrupções de serviço" dada a situação.
16 de Abril de 2019 às 13:56
Aeroporto Humberto Delgado
Aeroporto Humberto Delgado FOTO: Vasco Neves
O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, ficou sem abastecimento de combustível às 12h00, disse fonte oficial da ANA - Aeroportos de Lisboa à Agência Lusa, que já tinha admitido antes possíveis "disrupções de serviço" dada a situação.

Antes, esta manhã, a ANA, em respostas à Lusa, já tinha informado desta possibilidade, à semelhança do que tinha acontecido na segunda-feira à noite no aeroporto de Faro, onde as reservas de emergência de combustível foram atingidas.

Contactada a Galp, que lidera o GOC, consórcio que abastece, nomeadamente, o aeroporto de Lisboa, fonte oficial disse que a petrolífera "não faz, para já, comentários".

A ANA tinha admitido esta manhã que, "não tendo sido assegurados os serviços mínimos [na greve nacional dos motoristas de matérias perigosas], e em função do tempo necessário para a requisição civil ter efeitos práticos", os aeroportos por si geridos podiam "ter disrupções de serviço ao nível operacional", estando a gestora aeroportuária "a acompanhar a situação em permanência".

A gestora aeroportuária disse ainda que "no aeroporto de Faro já foram atingidas as reservas de emergência, estando o fornecimento de combustível suspenso, pelas empresas petrolíferas, desde ontem [segunda-feira] à noite".

Em causa está a greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 00h00 de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica, tendo sido impugnados os serviços mínimos definidos pelo Governo.

Em declarações à agência Lusa ao início da manhã de hoje, Francisco São Bento, do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), disse que a estrutura sindical previa que ao início da tarde os aeroportos de Lisboa e Faro ficassem sem combustível.

Segundo os dados do sindicato, ao início da manhã cerca de 40% a 50% dos postos e abastecimento já estavam sem combustível.

Entretanto, a Prio disse à Lusa que prevê que até ao final do dia de hoje quase metade dos seus postos esgotem os seus depósitos de gasóleo ou gasolina, e que o mesmo possa acontecer nos das restantes marcas na quinta-feira.

A Prio tem hoje cerca de 50 milhões de litros de combustível armazenados no seu parque de tanques em Aveiro, mas encontra-se impossibilitada de transportar este produto para os seus postos onde, como é prática corrente no setor, a capacidade de armazenamento do produto está limitada a poucos dias de vendas, refere a empresa que tem uma rede composta por cerca de 250 postos de abastecimento.

A portaria que efetiva a requisição civil dos motoristas de matérias perigosas em greve desde segunda-feira foi hoje publicada em Diário da República.

A portaria refere que, nos dias 16, 17 e 18 (entre hoje e quinta-feira), "os trabalhadores motoristas a requisitar devem corresponder aos que se disponibilizem para assegurar funções em serviços mínimos e, na sua ausência ou insuficiência, os que constem da escala de serviço".

A requisição civil produz efeitos até ao dia 15 de maio.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)