Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Algarve com risco elevado de incêndio nos próximos dias

IPMA também alerta para a ondulação marítima. Risco de fogo na região do Sotavento.
Lusa 13 de Fevereiro de 2019 às 18:18
Helicóptero de combate a fogos em ação
Bombeiros
Bombeiros combatem incêndio
Helicóptero de combate a fogos em ação
Bombeiros
Bombeiros combatem incêndio
Helicóptero de combate a fogos em ação
Bombeiros
Bombeiros combatem incêndio

 O distrito de Faro é o único do país que vai estar nos próximos dias sob aviso amarelo para a agitação marítima e com risco de incêndio moderado ou elevado, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O risco de incêndio vai ser, em grande parte dos concelhos algarvios, moderado durante os próximos dois dias, subindo a elevado (o terceiro nível de uma escala de cinco) em praticamente todo o sotavento no sábado, antes de se reduzir no domingo.

O risco de incêndio moderado (amarelo) abrange esta quarta-feira os concelhos de Alcoutim, Castro Marim, Tavira, São Brás de Alportel e Loulé, mas na sexta-feira alarga-se a praticamente todo o distrito de Faro - exceto a Vila Real de Santo António, Albufeira, Lagoa e Vila do Bispo - e ao concelho de Odemira, já no distrito de Beja, segundo os dados divulgados pelo IPMA.

No sábado, Alcoutim, Castro Marim, Tavira, São Brás de Alportel e Loulé sobem um nível para o risco de incêndio elevado (laranja), e os outros concelhos do Algarve, com exceção de Lagoa, mantêm-se com o risco moderado (amarelo), juntamente com Odemira e Almodôvar.

Durante o período de risco de incêndio elevado, as temperaturas mínima e máxima oscilarão entre os sete e os 19 graus centígrados, a humidade relativa andará entre 41 e 77% e está proibida a realização de queimadas extensivas.

No domingo, a situação normaliza-se em todo o distrito, exceto nos concelhos de Alcoutim, Tavira e São Brás de Alportel, que ainda se mantêm com o risco de incêndio amarelo (moderado).

O IPMA colocou a costa sul de Portugal sob aviso amarelo até sábado, devido às previsões de ondulação sueste até dois metros entre o Cabo de São Vicente e a barra do rio Guadiana, que é motivada, disse o comandante da zona marítima do Sul, pela ondulação causada pelo vento de leste.

"É uma situação que é de alguma forma natural nesta altura do ano, que tem a ver com o levante em Gibraltar, e quanto há levante em Gibraltar, temos sempre aqui, na costa sul, ondulação dos quadrantes de sueste maior que dois metros e o aviso amarelo é promulgado aqui no sul", justificou Cortes Lopes, do comando marítimo do sul, que inclui as capitanias dos portos do Algarve.

A mesma fonte alertou para a necessidade de a comunidade marítima "ter cautela com estas condições de mar", que deverão "prolongar-se até ao fim de semana e intensificar-se na sexta-feira", podendo a ondulação superar os dois metros.

"O mar é sempre merecedor de respeito, mas quando a agitação marítima atinge estes valores é preciso ter mais cuidado", advertiu o também capitão do porto de Faro, considerando que "não é a altura ideal para a comunidade piscatória usar o mar e fazer a pesca, nomeadamente as embarcações de menor porte, bem como as embarcações de recreio".

O comandante da zona marítima do Sul esclareceu que, por enquanto, "não há restrições de navegação nem barras fechadas", mas o evoluir da situação vai ser seguido para "ver se é necessário condicionar ou mesmo encerrar alguma barra ou porto".


Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)