Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

“Câmara nunca pediu limpeza na EN 236-1”

Funcionário da Ascendi foi ao Tribunal explicar as intervenções realizadas nas estradas concessionadas à empresa.
Isabel Jordão 9 de Fevereiro de 2019 às 10:15
Rogério Mota trabalha na Ascendi em Ansião
Incêndio de Pedrógão Grande deflagrou a 17 de junho de 2017
Fogo em Pedrógão Grande
Pedrógão
Rogério Mota trabalha na Ascendi em Ansião
Incêndio de Pedrógão Grande deflagrou a 17 de junho de 2017
Fogo em Pedrógão Grande
Pedrógão
Rogério Mota trabalha na Ascendi em Ansião
Incêndio de Pedrógão Grande deflagrou a 17 de junho de 2017
Fogo em Pedrógão Grande
Pedrógão
O funcionário da empresa Ascendi que esta sexta-feira prestou depoimento no Tribunal de Leiria, no âmbito do processo relativo ao incêndio de Pedrógão Grande, disse que a Câmara de Pedrógão Grande "nunca pediu qualquer limpeza ou intervenção na EN 236-1, ao contrário do que acontecia no IC 8".

Na EN236-1, que ficou conhecida como a ‘estrada da morte’, perderam a vida 47 pessoas nos incêndios de 2017.

"Eu desconhecia se havia algum plano municipal de defesa da floresta contra incêndios, seguia as instruções e trabalhava de acordo com o que estava no contrato", explicou Rogério Mota, que é um dos 13 arguidos no processo judicial, que está em fase de instrução.

Rogério Mota trabalha no Centro de Assistência da Ascendi no Avelar, Ansião, e explicou que nos dias 5, 6 e 7 de junho de 2017 - 10 dias antes do incêndio - foi feita uma intervenção na EN 236-1, não especificando em que zona, que incluiu o corte de arbustos.

"A intervenção era ao nível do desbaste das herbáceas, o corte de árvores só era feito se houvesse perigo para a circulação", adiantou, revelando que o último corte de árvores ocorreu em março desse ano, porque tinha chovido com intensidade e estavam em risco de cair para a estrada.

No IC 8, a limpeza era feita "com regularidade e quando a Câmara de Pedrógão Grande pedia íamos lá", afirmou.

PORMENORES 
Crimes
Os 13 arguidos estão acusados dos crimes de homicídio e ofensas à integridade física, ambos por negligência. Garantem estar inocentes.

Instrução
A instrução do processo começou na quinta-feira e a próxima audiência será dia 19, para ouvir o autarca de Figueiró dos Vinhos.

Testemunhas
O juiz de instrução ainda não decidiu se vai arrolar algumas testemunhas para serem ouvidas em Tribunal nesta fase do processo.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)