Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Bruno de Carvalho admite seguranças num almoço em Matosinhos

Presidente do Sporting disse desconhecer contratação.
30 de Março de 2017 às 11:52
O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, admitiu esta quinta-feira, durante o julgamento da Operação Fénix, que havia seguranças num almoço em que participou em Leça da Palmeira, Matosinhos, mas disse não saber quem encomendou aquele serviço.

"A postura foi, de facto, de seguranças, comportaram-se como seguranças, quase que afastando as pessoas de mim, o que até não é o meu estilo, porque eu gosto de cumprimentar as pessoas", referiu Bruno de Carvalho.

Disse que os alegados seguranças o acompanharam de perto no interior do restaurante. "Não foi à distância, foi algo muito próximo", sublinhou, confirmando que foi criada uma espécie de "caixa de segurança" à sua volta.

O almoço em causa decorreu a 1 de novembro de 2014 e foi organizado pela delegação do Norte do Sporting e por um grupo que viria a criar o núcleo do clube em Matosinhos.

Segundo Bruno de Carvalho, a organização contratou dois polícias para assegurar a ordem no exterior do restaurante.

"Estávamos num período complicado das relações entre o Sporting e o FC Porto", referiu, sublinhando que "no futebol, infelizmente, tudo pode acontecer" e que a ele já lhe aconteceu "um bocadinho de tudo".

Por isso, acrescentou, "é normal haver sempre apoio policial".

Quanto aos seguranças que se encontravam no interior do restaurante, Bruno de Carvalho admitiu que poderá ter sido o próprio estabelecimento a contratá-los.

"Nós, Sporting, não achámos que fosse necessário", enfatizou, admitindo que ficou "surpreendido" com a presença dos seguranças.

Um responsável pela organização do almoço, também ouvido hoje no julgamento, disse que não sabe quem contratou os alegados seguranças, mas sublinhou que eles tiveram "uma postura altamente prestativa, de muita simpatia e educação".

Disse ainda que "segurança pessoal, não fizeram", acrescentando que Bruno de Carvalho levou no seu carro "um guarda-costas".

Segundo o Ministério Público, no local estiveram quatro homens da SPDE a fazer segurança pessoal a Bruno de Carvalho, quando aquela empresa não tem alvará para aquele tipo de serviço.

A Operação Fénix é um processo relacionado com a utilização ilegal de seguranças privados, tendo como epicentro a empresa SPDE.

Os 54 arguidos respondem por crimes de associação criminosa, exercício ilícito da atividade de segurança privada, extorsão, coação, ofensa à integridade física qualificada, ofensas à integridade física agravadas pelo resultado morte, tráfico, posse de arma proibida e favorecimento pessoal.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)