Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

CDS insiste nas responsabilidades políticas de António Costa no caso de Tancos

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.
Lusa 5 de Julho de 2019 às 13:38
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa em Bruxelas
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa em Bruxelas
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa
António Costa em Bruxelas
António Costa
O CDS insistiu esta sexta-feira na responsabilização política do primeiro-ministro no caso do furto de material militar de Tancos "embora num nível não tão elevado" como o do ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes, constituído arguido na quinta-feira.

Em declarações aos jornalistas no parlamento, Telmo Correia, coordenador do CDS na comissão de inquérito ao furto de Tancos, afirmou ser necessário separar a investigação judicial do apuramento de "responsabilidades políticas", feito no parlamento, pelos deputados e afirmou o princípio da presunção da inocência de Azeredo Lopes.

No entanto, no dia seguinte à constituição de Azeredo como arguido no processo judicial, Telmo Correia insistiu nas responsabilidades políticas quanto à recuperação, ou "achamento", do material roubado, em 2017, em que a PJ considera ter existido uma encenação por parte da Polícia Judiciária Militar (PJM).

"O que nós sabemos é que o Governo soube, o chefe de gabinete [de Azeredo Lopes] soube, o ministro soube, e durante um ano não fez nada", disse Telmo Correia, em declarações aos jornalistas.

Como "não é crível" que nem o ministro da Defesa nem o primeiro-ministro tenham trocado informações sobre o assunto, alegou ainda.

"É evidente existem responsabilidades gravíssimas nesta matéria e que chegam, embora num nível não tão elevado, ao primeiro-ministro", acrescentou.

Só depois de estar "concluído este inquérito" haverá mais informação e será possível fazer "uma releitura política" do processo.

O ex-ministro Azeredo Lopes foi constituído arguido na quinta-feira no processo sobre o furto de Tancos, considerando que esta condição, apesar de garantir mais direitos processuais, é "socialmente destruidora".

"Comunico que fui ontem (quinta-feira) constituído arguido no processo relativo ao chamado 'caso Tancos'. Esta condição, se é verdade que me garante mais direitos processuais, é absolutamente inexplicável tendo em conta os factos relativos ao meu envolvimento do processo, que foi apenas de tutela política", refere Azeredo Lopes, em comunicado enviado à agência Lusa.

O ex-ministro da Defesa mostrou-se convicto de que vai ser "absolutamente ilibado de quaisquer responsabilidades neste processo".

O furto de material de guerra foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017 e, quatro meses depois, a Polícia Judiciária Militar (PJM) revelou o aparecimento do material furtado, na região da Chamusca, a 20 quilómetros de Tancos, em colaboração com elementos do núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé.

Entre o material furtado estavam granadas, incluindo antitanque, explosivos de plástico e uma grande quantidade de munições.

O processo de recuperação do material militar levou a uma investigação judicial em que foram detidos o agora ex-diretor da PJM.

No dia 12 de outubro de 2018, Azeredo Lopes apresentou a sua demissão do cargo de ministro da Defesa Nacional. Na base do pedido de demissão estiveram os desenvolvimentos do processo de investigação judicial ao desaparecimento e recuperação das armas furtadas nos paióis de Tancos.
Ver comentários