Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Dois inspetores da PJ acusados de tráfico de droga, corrupção e associação criminosa

Carlos Dias dos Santos e Ricardo Macedo em processo que também envolve um militar da GNR.
Lusa 17 de Abril de 2017 às 14:33
Ricardo Macedo (à esquerda) e Dias Santos (à direita) são os dois inspetores da PJ acusados de tráfico de droga
Ricardo Macedo (à esquerda) e Dias Santos (à direita) são os dois inspetores da PJ acusados de tráfico de droga FOTO: Manuel Salvado e Jorge Paula
O Ministério Público (MP) acusou 29 arguidos por tráfico de droga, associação criminosa e corrupção, na 'Operação Aquiles', considerando "particularmente graves" as condutas de Carlos Dias dos Santos e Ricardo Macedo, por serem inspetores da Polícia Judiciária.

No despacho de acusação, o MP considera que as condutas dos arguidos Carlos Dias dos Santos, coordenador de investigação criminal reformado, e de Ricardo Macedo, inspetor-chefe ainda no ativo, "violaram a fidelidade reclamada pela sua qualidade de inspetores da PJ e infringiram as regras e exigências de legalidade, objetividade, imparcialidade e independência".

Carlos Dias dos Santos e Ricardo Macedo estão acusados de tráfico de droga agravado, associação criminosa com vista ao tráfico e corrupção passiva para prática de ato ilícito.

Outro dos 29 acusados é o militar da GNR José Baltazar da Silva, que responde por tráfico de droga agravado e associação criminosa com vista ao tráfico de estupefacientes.

De acordo com a acusação, alguns dos arguidos integravam grupos organizados, de âmbito transnacional, que se dedicavam ao narcotráfico e teriam o apoio daqueles dois funcionários da PJ, que forneciam informações sobre investigações em curso relativas a crimes de tráfico de droga, mediante o pagamento de dinheiro.

O inspetor Ricardo Macedo, segundo o MP, contaria com o auxílio do militar da GNR.

No entender dos procuradores, Ricardo Macedo e Carlos Dias dos Santos exerceram as suas funções "de forma perversa", em troca de dinheiro, sabendo que "estavam a beneficiar elementos pertencentes a redes de traficantes de droga, condutas que sabiam ser de extrema gravidade".

"Carlos Alberto Dias dos Santos e Ricardo Jorge Ferreira da Silva contribuíram dessa forma, ativamente, para o sucesso de atividades de tráfico de droga em Portugal, em benefício dos restantes arguidos e suspeitos indicados, exigindo e recebendo contrapartidas monetárias", lê-se na acusação a que agência Lusa teve acesso.

Durante a investigação foram apreendidos mais de 900 quilos de cocaína e mais de 30 quilos de haxixe, diversas viaturas e várias dezenas de milhares de euros.

Dos 29 arguidos, Vítor Manuel Ferreira Caeiro, acusado de tráfico de droga agravado e associação criminosa, é o único que está em prisão preventiva desde abril de 2014, sendo apontado como "o braço direito e homem de confiança" do arguido Frankelim Lobo, líder da organização criminosa e que reside em Espanha.

Oitos dos restantes arguidos, entre os quais os dois funcionários da PJ e o elemento da GNR, estão sujeitos à obrigação de permanência na habitação com vigilância eletrónica.

Sete dos acusados não foram interrogadas por se encontrarem em fuga, tendo sido emitidos mandados de detenção.

Da lista dos acusados constam Manuel Jorge Manero de Lemos, António da Ponte, Mário Oliveira Pinto, José Manuel Camacho, João Paulo Gomes de Abreu, Manuel Serafim, Carlos Gregório, António Veiga Rossa, Manuel Janeiro Alves, Maria Luiza Caeiro e António Sesifredo Benvinda, entre outros.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)