Herança leva filha e genro a drogar, agredir e queimar professora

Casal tentou o crime perfeito mas foi detido pela Polícia Judiciária. Corpo foi encontrado mutilado no Montijo.
Por Lusa|07.09.18
A filha e o genro de Amélia Fialho, a professora de Físico-Quimíca encontrada morta no Montijo, são suspeitos do homicídio e de profanação de cadáver, tendo sido detidos e confessado o crime, informou esta sexta-feira a Polícia Judiciária (PJ). Ambos vão ficar em prisão preventiva.
O que disse a filha suspeita de matar mãe em entrevista à CMTV

"Diligências realizadas por esta polícia, desde a passada quarta-feira, permitiram indiciar que, na realidade, os ora detidos, filha e genro da pessoa desaparecida, que com ela coabitavam, na sequência de inúmeras desavenças, delinearam um plano, executado conjuntamente, para lhe tirar a vida", refere o comunicado da polícia.

Herança e raiva na origem do 'crime perfeito'
A professora Amélia terá ameaçado deserdar a filha adotiva após anos de mau relacionamento. O casal regressara há 20 dias à casa da mulher e portou-se bem com segundas intenções: manter a herança do património de Amélia. 

Vítima foi queimada
A filha da vítima, Diana Fialho, tem 23 anos e o genro, Iuri Mata, 27. A investigação permitiu apurar que no sábado - dia em que, segundo a família, a mulher desapareceu - os suspeitos, "pela hora do jantar, usando fármacos, colocaram-na na impossibilidade de resistir, agrediram-na violentamente no crânio com um objeto contundente, colocaram-na na bagageira de uma viatura e transportaram-na para a zona de Pegões, onde, com recurso a um acelerante, lhe pegaram fogo".
Professora do Montijo já tinha feito queixa às autoridades da filha adotiva

O corpo, indica a PJ, foi localizado "completamente carbonizado".

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!