Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas

Inspetores tributários montaram tendas à saída da A42 para controlar matrículas de carros.
Nelson Rodrigues 29 de Maio de 2019 às 01:30
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Fisco usa GNR para 'caçar' dívidas
Durante cinco horas, cerca de 20 elementos da Autoridade Tributária (AT) estiveram com dez elementos da GNR, à saída da A42, em Alfena, Valongo, e controlaram as matrículas de 4500 carros que passaram no local, esta terça-feira de manhã.

Sentados a uma mesa, colocada por baixo de uma tenda improvisada, os inspetores tributários inseriram os dados dos veículos no sistema informático com o objetivo de perceber se os condutores tinham dívidas às Finanças.

Em 93 situações foram detetadas irregularidades e os condutores foram convidados a pagar os valores - ou ficariam com as viaturas apreendidas.

A operação acabou por ser cancelada ao final da manhã pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. Fonte oficial do Ministério das Finanças disse que a referida ação "não foi definida centralmente" e já foi aberto um inquérito para averiguar a legalidade e enquadramento da operação.

O CM testemunhou contribuintes a entregarem as chaves de viaturas aos inspetores ou a procederem a pagamentos de dívidas no local. Até um camião que transportava dois cavalos foi apreendido.

Esta operação poderá estar inserida na nova meta de cobrança coerciva de dívidas fixada pelo Fisco e que estima arrecadar, este ano, entre 946 e 1156 milhões de euros.

Esta meta é superior à definida pela AT para 2018 - de acordo com os dados da Conta Provisória do Estado, o valor de dívida em processos de execução fiscal cobrado ascendeu a 1065 milhões. Tal como aconteceu na operação desta terça-feira, o Fisco propõe-se intensificar a presença de inspetores no terreno, através de ações em áreas de risco.

Ao CM, a GNR diz que prestou apoio na ação "na sequência de uma solicitação da Direção de Finanças do Porto". Referiu ainda que se limitaram a garantir a segurança e a circulação rodoviária. "Somos alheios à forma de atuação da AT e aos procedimentos observados".

Pormenores
Operação desproporcional
O Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos criticou esta operação Stop para cobrar dívidas dos contribuintes, apelidando-a de "desproporcional".

Quinta operação este ano
Esta é a quinta operação da Autoridade Tributária no distrito do Porto desde o início do ano. Fiscalizações idênticas ocorreram, por exemplo, na Trofa, a 14 de maio, e em Santo Tirso.

"Altamente ilegal"
O jurista Dantas Rodrigues considera que esta ação do Fisco é "altamente ilegal" e que se enquadra num "abuso de poder".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)