Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Fogo ameaça casas na Marinha Grande e já consumiu 80% do Pinhal de Leiria

Frente bastante perigosa está a cerca de 100 metros de habitações.
16 de Outubro de 2017 às 14:13
Incêndio na Marinha Grande
Incêndio na Marinha Grande
Incêndio na Marinha Grande
Incêndio na Marinha Grande
Incêndio na Marinha Grande
Incêndio na Marinha Grande
O fogo que lavra no concelho da Marinha Grande, no distrito de Leiria, está a ameaçar casas, disse à Lusa o presidente da Câmara, Paulo Vicente, que pediu um reforço dos meios no terreno.

"Temos uma frente bastante perigosa, que está a cerca de 100, 150 metros de habitações", disse o autarca, afirmando que o "fogo avança com muita, muita, muita velocidade".

Apontando que os moradores estão a ajudar ao combate às chamas com mangueiras, o presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande pediu um "reforço humano e de meios, quer terrestres, quer aéreos", dado que "os bombeiros estão exaustos".

Existem operacionais "há 24 horas no terreno, é urgente que o dispositivo seja reforçado", adiantou Paulo Vicente, referindo que as corporações "de Vieira de Leiria e Maceira" já se encontram no local a ajudar os bombeiros da Marinha Grande.

Vive-se "um cenário devastador e dantesco", retratou o autarca.

"As populações vão fazendo o que podem, mas estão também a acatar as ordens dos bombeiros e das forças de segurança", elencou o autarca, explicando que, de momento, "não estão a ser feitas evacuações" e "não há feridos, nem desaparecidos".

Autarca da Marinha Grande estima que já tenha ardido 80% do Pinhal de Leiria
O presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, Paulo Vicente, estimou hoje que cerca de 80% do Pinhal de Leiria tenha sido consumido pelas chamas, depois de ter alertado para a falta de limpeza desta mata.

Contactado pela agência Lusa, o autarca retratou que "cerca de 80% da manta verde do Pinhal de Leiria já ardeu" e alertou para "todas as consequências que isso acarreta".

Paulo Vicente referiu que se vive um "cenário devastador e dantesco" no concelho.

Já no início de agosto, o presidente da Câmara da Marinha Grande se tinha mostrado preocupado com a falta de limpeza da Mata Nacional de Leiria, que ocupa dois terços do concelho, principalmente junto às estradas florestais.

Militares ajudam a combater chamas
Cerca de duas dezenas de militares de Vendas Novas estão a caminho da Marinha Grande para apoiarem no combate às reativações de focos de incêndio, no qual já estão envolvidos outros 21 militares de Caldas da Rainha.

De acordo com a Câmara Municipal daquela cidade do distrito de Leiria, já estão envolvidos naquele trabalho 21 militares de Caldas da Rainha, estando já a caminho outros tantos oriundos de Vendas Novas. Para além dos militares, "estão empenhados no combate aos vários focos do incêndio 375 bombeiros", apoiados por 115 meios terrestres, entre os quais quatro máquinas de rastos, dois bulldozers e duas pás carregadoras, e um meio aéreo.

Os meios de combate às reativações das chamas "estão especialmente mobilizados" para os focos de incêndio nas zonas de Ponto Novo, em São Pedro de Moel, Gaeiras e Pilado, adianta a autarquia, numa nota publicada na sua página no Facebook.Mantém-se encerradas ao trânsito as estradas Atlântica, entre São Pedro de Moel e Pedrógão, e a regional 242-2, que liga Marinha Grande a São Pedro de Moel, mas, sublinha a Câmara, "não há situações alarmantes".

A autarquia reitera "o pedido para que todos evitem a deslocação aos locais das ocorrências, ainda que os focos de incêndio se encontrem aparentemente extintos".

A circulação automóvel ou pedonal nesses locais "deve efetuar-se com muito cuidado, por existir o risco de queda de árvores e de outra vegetação", alerta a Câmara da Marinha Grande, sublinhando que "a circulação deve restringir-se ao indispensável, para que se garantam as adequadas condições de segurança".
Ver comentários