Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Francisco J. Marques invoca "interesse público" e acusa Benfica de "espionagem"

Diretor de informação e de comunicação do FC Porto avançou declarações em tribunal.
Lusa 10 de Abril de 2019 às 18:39
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
Francisco J. Marques
O diretor de informação e de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, defendeu esta quarta-feira em tribunal que a divulgação dos emails do Benfica seguiu o "interesse público", ilibando ainda a SAD portista desse anúncio.

Ouvido em declarações na quinta e última sessão no Juízo Central Cível do Porto do processo movido pelo Benfica, o réu Francisco J. Marques disse que começou a ter acesso aos emails "em abril de 2017", tendo-os recebidos em três períodos.

Os primeiros emails, disse, foram para a sua conta no FC Porto, enquanto outros, "encriptados", seguiram "para a conta 123@tutanota.com", que entretanto criou, dado que recebe diariamente "cerca de 500 emails" na sua conta do clube, sendo assim "mais fácil de fazer a verificação" do que ia chegando.

Revelando que o "último email recebido foi em 12 de julho de 2017", o responsável portista acrescentou que na segunda remessa de emails constavam "três caixas de email: de Pedro Guerra, Luís Bernardo e Pedro Valido", do Benfica.

Sobre a sua divulgação no programa do Porto Canal 'Universo Porto', Francisco J. Marques defendeu que o fez "sem pedir ou receber ordem da SAD" do FC Porto, embora, na tarde anterior à revelação, tenha informado os administradores "Pinto da Costa, Adelino Caldeira e Fernando Gomes" que o iria fazer à noite.

"Não foi autorizado nem era preciso", reiterou o diretor portista, que "ilibou" a SAD portista de um processo que defendeu "seguir o interesse público" na divulgação dos emails, em que "procuraram apenas as tramoias do Benfica".

Perante as dúvidas manifestadas pelo juiz sobre o critério utilizado na divulgação dos emails, o responsável portista reiterou ter "seguido critérios jornalísticos" e que desconhece de quem partiu os emails.

Sobre a entrega dos emails à Polícia Judiciária (PJ), disse que foram entregues em três partes em outros tantos dias.

Confirmando que apenas ele e Diogo Faria "tinham acesso a um computador que se encontrava numa sala fechada", disse-se "arrependido" por ter intitulado o livro que ambos escreveram de "O polvo encarnado", preferindo esta quarta-feira chamar-lhe "A teia do poder encarnado".

Da venda do livro, entre 2017 e 2018, disse ter ganho "cerca de 3.500 euros".

"Estamos aqui sentados por o Benfica achar que o FC Porto fez espionagem, quando era o Benfica que o fazia", acusou Francisco J. Marques.

Por acordo entre o tribunal e os advogados das partes, foi estabelecido o prazo de 10 dias para apresentação por escrito das alegações orais.

Decorrido o referido prazo, e não ocorrendo circunstâncias anómalas, será proferida sentença 30 dias após a secção de processos concluir os autos.

Será feito um comunicado de imprensa após a comunicação da sentença às partes.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)