Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

GNR julgado por balear suspeito de assalto

Militar afirma que apenas queria imobilizar viatura e proteger colega.
19 de Novembro de 2015 às 19:13
Militares da GNR registaram 189 infrações
Militares da GNR registaram 189 infrações FOTO: Eduardo Martins
O militar da GNR acusado de ofensa à integridade física qualificada por atingir a tiro um suspeito de assaltos, em Torres Vedras, disse esta quinta-feira em tribunal que a intenção era imobilizar a viatura em fuga e proteger outro militar.

"O objetivo era imobilizar a viatura. Já era a oitava vez que nos estavam a tentar atropelar ou assustar. Foi só ao fim de uma perseguição de cerca de 40 quilómetros que disparei, depois de muitos avisos que não acataram e muitas ameaças aos meus camaradas. Disparei quando eles foram em direção do meu camarada", justificou.

Acusado de ofensa à integridade física qualificada por atingir com um tiro um suspeito de ter assaltado dois cafés, em Torres Vedras, quando este se colocava em fuga, o militar da GNR, de 28 anos, começou esta quinta-feira a ser julgado no Tribunal de Sintra.

Segundo o despacho de acusação, a que a agência Lusa teve acesso, na madrugada de 03 de maio de 2013 o "principal suspeito" dos crimes ocorridos na localidade de Silveira seguiu na direção de Sabugo, concelho de Sintra, "de modo a fugir ao alcance" das forças policiais, "imprimindo grande velocidade ao veículo".

O militar "disparou um tiro na direção da traseira da viatura" e o projétil perfurou a chapa da carrinha e o banco do condutor, tendo-o atingido nas costas, na parte inferior da zona lombar esquerda, ao lado da coluna, refere a acusação. A segunda sessão de julgamento está agendada para dia 26 de novembro, às 15h00.
GNR Torres Vedras Tribunal de Sintra tribunal
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)