Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Guarda chefia rede de tráfico de droga e telemóveis na cadeia de Caxias

Fernando Lizardo recebia 75 euros de recluso e família por telemóvel que metia na prisão.
Miguel Curado 2 de Agosto de 2019 às 01:30
Estabelecimento prisional de Caxias, Oeiras
Hospital-prisão de Caxias
Estabelecimento prisional de Caxias, Oeiras
Hospital-prisão de Caxias
Estabelecimento prisional de Caxias, Oeiras
Hospital-prisão de Caxias
Durante três anos (2015-2018), o guarda prisional Fernando Lizardo, atualmente com 49 anos, foi o elo de ligação de um recluso da cadeia de Caxias, Oeiras, e da família deste, para a introdução de telemóveis e droga naquela prisão.

A rede criminosa foi desmantelada em junho de 2018 e o Ministério Público acusou agora 26 membros do grupo de crimes de tráfico de droga e telemóveis.

Fernando Lizardo é considerado o cabecilha da rede e foi acusado de corrupção passiva para ato ilícito.

O Ministério Público sustenta a acusação contra Fernando Lizardo com a prova recolhida, que aponta no sentido do guarda prisional, preso agora na cadeia de Évora, ter recebido 75 euros por cada telemóvel introduzido em Caxias.

Os aparelhos eram-lhe entregues pelos arguidos Luís e Elisa Morgado, pais do recluso que, por sua vez, os recebia no interior da prisão.

Há registo, igualmente, de que Luís e Elisa Morgado, ambos funcionários da câmara de Cascais, usassem viaturas desta autarquia para transportar os telemóveis e até droga introduzida na prisão de Caxias.

Quando Fernando Lizardo foi transferido para o hospital-prisão de Caxias, a rede decidiu invadir o recinto da cadeia de onde o guarda-prisional tinha saído para continuarem a atividade criminosa.

Em finais de maio de 2018, dois ou três homens cortaram parte da rede da vedação do reduto Norte desta prisão e deixaram no interior um embrulho com telemóveis e droga.

Cerca de um mês depois, a GNR de Sintra avançou para as detenções dos membros da rede. O Ministério Público acusou-os agora. 

Pormenores
Avó guardava
A arguida mais velha do processo é uma mulher de 75 anos, avó do recluso da cadeia de Caxias. A mulher guardava em casa a droga que, depois, o filho e a nora, pais do preso, entregavam ao guarda Lizardo.

Comunicações
Segundo a acusação, Luís e Elisa Morgado, pais do preso da cadeia de Caxias, tinham cuidado em não falar ao telemóvel. Usavam antes walkie-talkies para comunicar entre si e organizar os negócios de tráfico.

Rede de tráfico
Antes de iniciarem uma rede de tráfico na prisão de Caxias, o grupo que agora vai a julgamento terá vendido droga em Cascais.

Segundo o Ministério Público, o grupo lidava com drogas duras.
Fernando Lizardo Guarda Caxias Ministério Público Oeiras Luís Elisa Morgado Cascais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)