Hacker Rui Pinto pediu um milhão à Doyen a troco de não divulgar informação comprometedora

Pirata informático disse a Aníbal Pinto para fazer um contrato com o CEO da Doyen Sports e o advogado Pedro Henriques.
20.01.19

Rui Pinto, o ‘hacker’ que foi detido na Hungria, pediu ao advogado Aníbal Pinto para fazer, em outubro de 2015, um contrato com Nélio Lucas da Doyen e o advogado Pedro Henriques. O especialista em informática, que se identificava apenas como Artem Lobuzov, pretendia justificar o dinheiro que supostamente iria receber da Doyen a troco de não revelar informação comprometedora.

O ‘hacker’ pretendia receber entre 500 mil euros e um milhão, a troco da entrega de ficheiros com informações supostamente incriminatórias para Nélio Lucas, o CEO da Doyen Sports, o advogado Pedro Henriques e algumas pessoas com alegadas ligações ao FC Porto.

Se não recebesse o dinheiro, Artem Lobuzov ameaçava tornar as informações públicas.

Aníbal Pinto ainda chegou a encontrar-se com os representantes da Doyen em Lisboa mas depois afastou-se ao perceber que a situação poderia configurar um crime.

O advogado nortenho mandou, depois do encontro secreto na autoestrada de Cascais, em novembro de 2015, um email ao pirata informático alertando-o que estava perante um crime de extorsão e que poderia incorrer numa pena de prisão até 15 anos, como mostram os documentos a que a CMTV teve acesso.

Com medo, Rui Pinto envia uma mensagem de correio eletrónico a Nélio Lucas em que justifica o dinheiro que iria receber como sendo uma doação. Mas depois garante que já nem quer dinheiro e que foi tudo um erro.

O ‘hacker’ explica na mensagem de 11 de novembro de 2015, que já não queria nem um cêntimo e que iria entregar pessoalmente a documentação que tinha no DCIAP. Assegurava ainda que não era o autor ou um dos autores do Football Leaks e que desconhecia quem eram os responsáveis por esse site.

Em resposta ao email, Nélio Lucas garantia que a Doyen nunca tinha cometido nenhuma ilegalidade, mas depois sugeriu que podiam chegar a uma solução desde que o acordo fosse com valores muito inferiores ao inicialmente apresentados.

Nélio Lucas avisava Artem Lobuzov e Aníbal Pinto que tinham batido à porta errada e que deviam estar preparados para assumir as consequências.

Rui Pinto responde e volta a insistir que já não quer dinheiro, que vai entregar os documentos ao DCIAP e que o assunto está encerrado. E remata garantindo que as ameaças não lhe tiram o sono.

Já após a sua detenção, o pirata informático disse em exclusivo à CMTV, em Budapeste: "Não tenho nada a ver com os mails do Benfica". 

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!