Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Fogos de outubro de 2017 foram fenómeno inédito e com falhas no combate

Comissão Técnica Independente afirma que falhou a capacidade de "previsão e programação" para "minimizar a extensão" do incêndio.
Lusa 12 de Outubro de 2018 às 09:11
Incêndios
Fogos outubro de 2017
Incêndios
Fogos outubro de 2017
Incêndios
Fogos outubro de 2017

Os incêndios de outubro de 2017 na região Centro constituíram um fenómeno inédito, resultante da conjugação de fatores meteorológicos, mas a Comissão Técnica Independente (CTI) também concluiu que houve falhas na programação de socorro e nas comunicações.

Criada em 07 de dezembro de 2017, pela Assembleia da República (AR), para analisar os grandes incêndios rurais de 14, 15 e 16 de outubro nos seis distritos da região Centro (Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu) e em dois do Norte (Braga e Viana do Castelo), a CTI - constituída por 12 peritos (seis indicados pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas e outros tantos pelo parlamento), 11 dos quais integraram a CTI de avaliação dos fogos que deflagraram em 17 de junho de 2017 em Pedrógão Grande - voltou a ser presidida pelo professor universitário João Guerreiro.

De acordo com o relatório - 'Avaliação dos incêndios ocorridos entre 14 e 16 de outubro de 2017 em Portugal Continental' -, entregue pela CTI na AR em 20 de março de 2018, falhou a capacidade de "previsão e programação" para "minimizar a extensão" do fogo na região Centro, face às previsões meteorológicas de temperaturas elevadas e vento para os dias em que ocorreram.

Fogos na região Centro provocaram 50 mortos e atingiram 1.500 casas e 500 empresas
Cinquenta pessoas morreram e 70 ficaram feridas na sequência dos incêndios de outubro de 2017 na região Centro, que também destruíram total ou parcialmente 1.500 casas e mais de 500 empresas.

Metade das mortes ocorreu no distrito de Coimbra (13 das quais no concelho de Oliveira do Hospital e 12 nos municípios de Arganil, Pampilhosa da Serra, Penacova e Tábua) e 17 em Viseu (Carregal do Sal, Mortágua, Nelas, Oliveira de Frades, Santa Comba Dão e Tondela). Os restantes óbitos foram registados na autoestrada que liga Aveiro a Vilar Formoso (A25), nas zonas de Sever do Vouga (Aveiro) e de Pinhel (Guarda), e no concelho de Seia (Guarda).

Três meses antes, em 17 de junho, as chamas que deflagraram no município de Pedrógão Grande, no interior do distrito de Leiria, e que alastraram a concelhos vizinhos, fizeram 66 mortos e 253 feridos, atingiram cerca de meio milhar de casas e quase 50 empresas, e devastaram 53 mil hectares de território, 20 mil hectares dos quais de floresta.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)