Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

‘Páras’ sem apoio de helicópteros na República Centro-Africana

Risco acrescido para militares que estão sem meios aéreos.
Sérgio A. Vitorino 22 de Janeiro de 2019 às 09:38
Helicóptero MI-17 com militares lusos a bordo teve de aterrar de emergência após ser atingido com dois tiros
República Centro-Africana
República Centro-Africana
República Centro-Africana
Militares portugueses na República Centro-Africana
Helicóptero MI-17 com militares lusos a bordo teve de aterrar de emergência após ser atingido com dois tiros
República Centro-Africana
República Centro-Africana
República Centro-Africana
Militares portugueses na República Centro-Africana
Helicóptero MI-17 com militares lusos a bordo teve de aterrar de emergência após ser atingido com dois tiros
República Centro-Africana
República Centro-Africana
República Centro-Africana
Militares portugueses na República Centro-Africana
Os paraquedistas portugueses em operação militar das Nações Unidas na República Centro-Africana não contam, desde meados de dezembro, com apoio de helicópteros de ataque, meios fornecidos pela MINUSCA (missão da ONU) e que são cruciais para os operacionais que combatem no terreno. O risco é acrescido.

Os três hélis de ataque que apoiavam toda a MINUSCA ficaram inoperacionais num incidente bizarro no aeroporto de Bangui, capital da RCA. Uma manobra fora da norma de um avião a jato russo fez projetar pedras contra os aparelhos MI-35 senegaleses.

Resultado: vidros do cockpit partidos e outros danos, que levaram a que as tropas ficassem sem apoio dos hélis que disparam rockets e têm um canhão de 20 mm.

Os paraquedistas portugueses, apoiados no terreno por dois controladores aéreos avançados da Força Aérea, procuraram contornar a falha adaptando uma metralhadora à porta de um helicóptero de transporte MI-17 paquistanês.

A solução permitiu fazer fogo de supressão, por atiradores especiais, mas no dia 17, numa operação que o CM acompanhou no terreno, em Bambari, esse héli foi atingido por dois disparos.

Por não ser blindado sofreu danos e aterrou de emergência. Ficou inoperacional e quase que obrigou à suspensão do combate em curso para expulsar da cidade os grupos armados.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)