Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Queriam ter um só grupo skinhead

Dois inspectores da PJ, arrolados como testemunhas pela acusação do processo que senta no banco os réus 36 militantes de extrema-direita, afirmaram ontem em tribunal que "o movimento Hammerskin tinha um projecto hegemónico para congregar todos os grupos portugueses com ideologias nazis".
17 de Abril de 2008 às 00:30
O julgamento decorre no Tribunal de Monsanto, em Lisboa
O julgamento decorre no Tribunal de Monsanto, em Lisboa FOTO: Vítor Mota

'Nesse sentido, tentavam aglutinar outros movimentos. Uns por negociação, outros por intimidação', defendeu o inspector-chefe Pedro Prata. O argumento justificou uma viagem ao Porto feita por 12 membros dos Hammerskin com o objectivo de 'ajustar contas como movimento Blood &  Honour'.

O também inspector-chefe da PJ JoãoVentura acusou ainda o movimento liderado por Mário Machado de praticar uma 'criminalidade política e ideologicamente motivada'. 'Até se poderia colocar o problema de a Nação Hammerskin ser um grupo terrorista, tendo em conta que intimidavam judeus, ciganos, negros e estrangeiros no geral', argumentou. As testemunhas explicaram que o ‘Capítulo’portuguêsdaNação Hammerskin era composto por 14 elementos, que estão entre os 36 arguidos.

As acusações dos dois inspectores foram questionadas pela Defesa. 'Isto nem parece um processo--crime', desabafou José Manuel Castro, advogado dos principais arguidos. 'A instância é apenas ideológica,nãotembaseem factos'.

APONTAMENTOS

NAÇÃO HAMMERSKIN

A Nação Hammerskin’ surgiu nos E.U.A., em 1988, como uma organização defensora da supremacia branca, mas depressa ficou conhecida pelos actos violentos. Está dividida em ‘Capítulos’ espalhados pelo Mundo. Os Hammerskin Portugal foram reconhecidos oficialmente em Janeiro de 2005.

FREITAS DO AMARALl

De acordo com a Defesa, na operação policial que conduziu à detenção dos 36 arguidos, foram apreendidas obras de Freitas do Amaral – ‘D. Afonso Henriques’ ou ‘História das Ideologias Políticas’ – por serem considerados 'livros que ilustram a ideologia' dos arguidos.

MACHADO SUPESTAR

'Mário Machado é uma figura com projecção internacional. Discursa na Alemanha ou na Suécia a convite de outras organizações ', afirmaram os inspectores da PJ.

Ver comentários