Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Bragança quer construir charcas e barragens para armazenar água

Autarca entende que é necessário haver reservas para outros fins, nomeadamente agrícolas.
Lusa 27 de Novembro de 2017 às 18:16
Seca
Seca
Seca
Seca
Seca
Seca

O presidente da Câmara de Bragança, Hernâni Dias, anunciou esta segunda-feira que tem um plano para construir 39 charcas em todas as freguesias do concelho e três novas barragens para armazenar água e evitar problemas em períodos de seca.

O abastecimento de água para consumo da população da cidade está assegurado depois da construção da barragem de Veiguinhas, mas o autarca entende que é necessário também haver reservas para outros fins, nomeadamente agrícolas.

Para o efeito disse esta segunda-feira à Lusa que se propõe construir, em parceria com as freguesias, 39 charcas até ao final do mandado, um plano que considerou ser "ambicioso".

"É um objetivo muito ambicioso, estamos a falar de 39 charcas, só temos quatro anos, significa que teríamos de fazer dez charcas por ano, no mínimo, o que pode ser demasiadamente ambicioso, mas esse é o nosso objetivo", vincou.

O plano incluiu ainda a construção de três barragens na Serra da Nogueira, em Parada e em Macedo do Mato, mas estas não dependem apenas da vontade municipal, mas da autorização do Governo, como indicou.

Hernâni Dias afirmou que a autarquia já começou a "estudar de forma mais intensa" o local para a construção de uma barragem na Serra da Nogueira.

"Já tivemos alguém a visitar um espaço na Serra da Nogueira para eventual construção de uma barragem para abastecimento a toda aquela zona e não só porque é muito alto e tem capacidade para chegar a água a muitos sítios", indicou.

Disse ainda que vai "Junto do Governo a reivindicar ao nível da construção de novas barragens, nomeadamente m Parada e também em Macedo do Mato"

"São as três que estão identificadas como necessárias, sendo que também na barragem de Castanheira há uma questão que devia ser tratada por quem de direito, nomeadamente quem tutela a barragem, para substituir o sistema de rega de alagamento por rega por aspersão, o que seria um fator de poupança de água e também levaria a melhores níveis de eficiência ao nível dos consumos", acrescentou.

As barragens ambicionadas são "para rega, mas não significa que no futuro não possam vir a ser utilizadas para abastecimento de população", segundo o autarca.

O financiamento das barragens será uma questão para discutir posteriormente, já em relação às reservas com charcas, a autarquia assume os custos com a utilização essencialmente de meios municipais.

A medida resulta de necessidades identificadas durante a campanha eleitoral para as Autárquicas, em que Hernâni Dias foi eleito para um segundo mandato.

O trabalho já começou no terreno e a Câmara tem "estado a fazer com as juntas de freguesia essa identificação, já se fez a reabilitação de uma charca em Baçal e estão a agora avançar para a limpeza de represas em rios e ribeiras".

Chuvas de novembro não melhoraram armazenamento
Os níveis de armazenamento de água nas barragens e origens de abastecimento de Bragança mantêm-se inalterados apesar das chuvas de novembro, com apenas a barragem de Veiguinhas a garantir o abastecimento, informou hoje a Câmara Municipal.

A cidade de Bragança tem água garantida para os consumos mesmo que não chova durante um ano, graças à nova barragem de Veiguinhas que foi planeada para ser o último recurso depois de todas as outras reservas falharem.

Veiguinhas continua a ser a única fonte que abastece a população e nem as chuvas de novembro alteraram a situação com a barragem da Serra Serrada e os restantes sistemas alternativos ainda sem condições para abastecerem o sistema.

Como disse hoje à Lusa o presidente da Câmara, Hernâni Dias, em relação ao "abastecimento público não houve nenhuma melhoria naquilo que diz respeito a capacidade de armazenamento em Bragança".

"O resultado deste período de chuva não se traduziu em rigorosamente nada, por exemplo, na barragem de Serra Serrada. Tive esse cuidado, durante o fim de semana, de monitorizarmos a barragem no sentido de perceber se havia alguma possibilidade de retomar o abastecimento através desse ponto, a verdade é que isso não aconteceu porque choveu tão pouco que não dá para nada", realçou.

O autarca vincou que ao nível do abastecimento público, Bragança "não tem problema absolutamente nenhum", embora e, nos últimos meses, até forneceu água ao concelho vizinho de Vimioso.

Este fornecimento foi, entretanto suspenso, já que o rio Maçãs, a origem do abastecimento daquele concelho, ganhou caudal com as últimas chuvas e garante novamente água à população de Vimioso.

No concelho de Bragança continua a haver transporte de água em camiões para algumas aldeias, uma situação que o presidente da Câmara diz que ser "esporádica" e que "não se tem agravado.

"Há uma ou outra situação em que, às vezes, não sabemos também a razão - podem ser várias, até por alguma fuga - acontece que há necessidade de transportar água, mas estamos com a situação perfeitamente controlada, não há nenhum drama, não há absolutamente nada", declarou, insistindo que "quando é necessário" faz-se o transporte, "mas não tem piorado, desde o verão".

Hernâni Dias recordou também que, independentemente de não existirem problemas de abastecimento de água em Bragança, o município tomou medidas no sentido de evitar consumos excessivos como a suspensão da rega de jardins públicos e desligou todas as fontes de mergulho para evitar qualquer perda de água.

À população tem sido feito um apelo à poupança, concretamente com mensagens nas faturas da água, "no sentido de as pessoas ficarem sensibilizadas para esta questão".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)