Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Mais de seis mil investidores subscrevem obrigações da TAP

Resultados foram apresentados esta tarde na Euronext, em Lisboa, com David Neeleman a considerar que "este é um grande dia para a TAP".
19 de Junho de 2019 às 18:09
TAP
TAP
avião, TAP
Avião da TAP
TAP
TAP
avião, TAP
Avião da TAP
TAP
TAP
avião, TAP
Avião da TAP
Mais de seis mil investidores subscreveram as obrigações da TAP, uma operação no valor de 200 milhões de euros, em que a procura superou a oferta em 1,55 vezes, foi esta quarta-feira anunciado.

No segmento geral a procura atingiu 162,5 milhões de euros e o montante final atribuído foi de 105 milhões de euros com o número total de investidores a atingir os 6.092, dos quais 35 profissionais.

Os 105 milhões de euros correspondem a 52,5% da emissão obrigacionista, enquanto 95 milhões (47%) foram atribuídos ao segmento profissionais e contrapartes elegíveis, cuja distribuição geográfica foi de 54% para investidores portugueses e 46% para internacionais.

Os resultados da Oferta Pública de Subscrição de Obrigações foram apresentados esta tarde na Euronext, em Lisboa, com David Neeleman a considerar que "este é um grande dia para a TAP".

"Estamos a preparar a empresa para abrir capital, é isso que nós temos de fazer para fortalecer a empresa", sublinhou o acionista de referência da TAP, acrescentando que quando isso acontecer "vai ser 'show' de bola".

Já o presidente executivo (CEO) da transportadora aérea, Antonoaldo Neves, questionado pelos jornalistas, recusou apontar uma data para a TAP avançar a dispersão em bolsa.

"IPO [sigla inglesa para 'Initial public offering', entrada em bolsa] não é o destino final, é um caminho, um meio para obter mais uma fonte de acesso ao capital", começou por afirmar Antonoaldo Neves, acrescentando que "precisar uma data agora é mera especulação".

"Estaremos preparados para o momento que for necessário e atrativo para os acionistas para fazer a abertura de capital e a nossa intenção é estarmos preparados para, a partir do ano que vem, fazer uma abertura de capital se assim for desejo dos acionistas e vantajoso para a TAP e se houver um mercado para isso", reforçou o CEO da TAP.

O período de subscrição das obrigações da TAP decorreu entre 03 e 18 de junho e arrancou com um valor total de 50 milhões de euros, mas em 13 de junho a transportadora aérea decidiu multiplicar por quatro o número e valor de obrigações a emitir para 200 milhões de euros.

O valor nominal unitário das obrigações é de 1.000 euros com maturidade em 23 de junho de 2023, com uma taxa de juro fixa bruta de 4,375%.

No prospeto inicial, em 30 de maio, a TAP anunciou que a operação tinha como organizador e coordenador global o Haitong Bank e que "as receitas decorrentes da oferta e da emissão das Obrigações TAP 2019-2023 destinam-se a consolidar o passivo [...] num prazo mais alargado, através do refinanciamento de dívidas que se vencerão num futuro próximo, bem como à obtenção de fundos para [...] financiar a sua atividade corrente".

A admissão à negociação na Euronext está prevista para 24 de junho.

O grupo TAP registou, em 2018, um prejuízo de 118 milhões de euros, valor que compara com um lucro de 21,2 milhões de euros registado no ano anterior, anunciou a transportadora em março.

Por sua vez, a receita do grupo passou de 2.978 milhões de euros em 2017 para 3.251 milhões de euros em 2018, traduzindo-se num aumento de 273 milhões de euros, mais 9,1% face ao período homólogo.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)