Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Cerca de cinco mil ovinos no Alentejo detetados com vírus da língua azul no Alentejo

Perto de 40 explorações pecuárias declararam casos suspeitos, nos distritos de Beja e Évora.
Lusa 3 de Setembro de 2021 às 16:37
Ovinos
Ovinos FOTO: Francisco Pinto / Lusa
Cerca de cinco mil ovinos contraíram o vírus da língua azul no Alentejo, tendo perto de 40 explorações pecuárias declarado casos suspeitos, nos distritos de Beja e Évora, revelou esta sexta-feiira fonte do Ministério da Agricultura.

A mesma fonte explicou à agência Lusa que está "em curso" uma investigação sobre esta situação e que as explorações pecuárias que declaram casos suspeitos situam-se nos concelhos de Serpa, Moura, Barrancos, Mértola, Beja, Portel e Évora.

Nos concelhos de Évora e Portel, até ao momento, as suspeitas não foram "confirmadas laboratorialmente", acrescentou a mesma fonte, realçando que esta doença animal "não é transmissível" a humanos.

Esta deteção de casos de língua azul em ovinos já levou a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) a emitir um comunicado, na terça-feira, em que declara o Alentejo como "área adicional de restrição para o serótipo 4" do vírus.

Com esta declaração pela DGAV, o Alentejo junta-se à região do Algarve, que já estava "sujeita a restrições por serótipo 1 e por serótipo 4 do vírus da língua azul".

Nesta nota, publicada na página de Internet da DGAV e consultada pela Lusa, o organismo explica que a restrição no Alentejo deve-se à "deteção de resultados positivos ao serótipo 4 [do vírus da língua azul] no concelho de Serpa, em agosto".

Está estabelecida uma área de vacinação obrigatória para os serótipos 1 e 4 que abrange toda a região do Algarve, enquanto todo o Alentejo faz parte de outra área de vacinação obrigatória dos animais para o serótipo 4.

"A vacinação obrigatória do efetivo ovino reprodutor adulto e dos jovens destinados à reprodução tem sido a medida mais eficaz para controlar a doença, aconselhando-se ainda a vacinação dos restantes animais das espécies sensíveis", é referido também num edital recente da DGAV.

Quanto às restantes regiões do território nacional "constituem zonas livres de língua azul", acrescenta a DGAV.

A língua azul ou febre catarral ovina é uma doença epizoótica de etiologia viral que afeta os ruminantes, com transmissão vetorial, incluída na lista de doenças de declaração obrigatória nacional e europeia e na listada Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Alentejo Beja Évora Ministério da Agricultura Serpa autoridades locais animais saúde doenças
Ver comentários