Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Escola pergunta gosto sexual a alunos do 5º ano

Ficha sociodemográfica questiona os alunos se preferem “homens, mulheres ou ambos”.
Aureliana Gomes 11 de Outubro de 2018 às 01:30
Ficha sociodemográfica dada aos alunos
Sala de aula
Sala de aula
Ficha sociodemográfica dada aos alunos
Sala de aula
Sala de aula
Ficha sociodemográfica dada aos alunos
Sala de aula
Sala de aula
"Parece-me absolutamente desadequado e disparatado um inquérito destes, nesta idade". O testemunho é de Margarida Baldaque Silva, tia de uma aluna da Escola Francisco Torrinha, no Porto, após ter sido publicada nas redes sociais uma ficha sociodemográfica em que se questiona diretamente as crianças do 5º ano daquela escola sobre as suas preferências sexuais.

No inquérito, para além de se perguntar se a criança já namorou anteriormente, é perguntado aos alunos se se sentem atraídos "por homens, mulheres ou ambos".

Descontente, um encarregado de educação publicou a ficha nas redes sociais e as reações foram imediatas. "Devíamos ter sido informados. Não tenho tabus, mas na idade deles [10, 11 anos] os pais têm de ser informados", disse, ao CM, uma mãe, que não se quis identificar. O questionário terá sido feito numa única turma, no âmbito de uma parceria com uma associação externa à escola.

À porta da escola, ontem, a avó de dois alunos que frequentam o estabelecimento mostrou-se desagradada com a situação. "É um assunto isolado que tem de ser resolvido dentro da escola. Colocar na internet causa um alarido que nada tem a ver com a realidade", disse Isabel Folhadela.

O CM tentou uma reação de Rui Fonseca Silva, diretor do Agrupamento de Escolas Garcia de Orta, mas tal não foi possível.

Associações de pais repudiam inquérito  
Várias associações de pais  já se  manifestaram contra o teor das questões colocadas na ficha demográfica. Ao CM, Firmino Luz, presidente da Federação Regional das Associações de Pais do Porto, manifestou discordância.

"Repudiamos por completo este tipo de questionário", referiu. Também a Confederação de Pais, na sua página de Facebook, disse "repudiar este tipo de comportamentos nas escolas sem o consentimento dos pais".

"Inquérito não fere suscetibilidades" 
A Associação de Pais da EB Francisco Torrinha, em comunicado, diz que "o inquérito é desadequado, mas não fere suscetibilidades".

Salienta que a ficha foi feita em parceria com uma associação externa e que "o tema para a igualdade de género está previsto no programa escolar".

PORMENORES 
Ministério pede respostas
O Ministério da Educação disse desconhecer o inquérito em questão e esclareceu que já pediu esclarecimentos sobre o assunto à escola.

CDS questionou Governo
O CDS questionou o Governo sobre o objetivo do inquérito. O partido quer que a tutela esclareça se "há fichas idênticas noutras escolas".

Deputada nega autoria
Ao final da tarde o nome de Carla Eliana Tavares, deputada do PS, surgiu associado ao questionário. A deputada negou.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)