Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Escolas obrigadas a encerrar por reforço insuficiente de auxiliares

Falta de funcionários faz com que estabelecimentos sejam obrigados a fechar portas.
Bernardo Esteves 25 de Fevereiro de 2019 às 08:28
Na Escola Básica do Santo Condestável, em Lisboa, há apenas uma funcionária para 230 alunos
Alunos
Alunos
Na Escola Básica do Santo Condestável, em Lisboa, há apenas uma funcionária para 230 alunos
Alunos
Alunos
Na Escola Básica do Santo Condestável, em Lisboa, há apenas uma funcionária para 230 alunos
Alunos
Alunos
Os 1067 funcionários que o Governo anunciou que vai contratar para as escolas não chegam para colmatar as carências, avisam os diretores.

"Estou em crer que não serão suficientes. É uma medida positiva mas insuficiente", refere Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (Andaep), que efetuou um inquérito sobre a falta de auxiliares nos 811 agrupamentos do país. Os resultados serão anunciados em breve: "cerca de 200 agrupamentos responderam, o que permitirá extrapolar para a realidade a nível nacional".

Na Escola Básica do Santo Condestável, Lisboa, os pais queixam-se de que chega a haver uma auxiliar para 230 alunos. Na EB1 Vale de Alcântara, Lisboa, a escola já teve de encerrar quando faltou uma auxiliar para vigiar 80 crianças. Ambas pertencem ao agrupamento Manuel da Maia, que recusou prestar esclarecimentos.

A Escola Anselmo Andrade (Almada) já fechou por falta de funcionários, mas a maioria dos estabelecimentos opta por encerrar só alguns serviços.

É o caso da Escola Secundária de Canelas (Vila Nova de Gaia), onde não há aulas de Educação Física, e alunos e professores fazem o trabalho dos auxiliares.

PORMENORES
Bolsa de funcionários
O Governo anunciou a criação de uma bolsa de auxiliares para substituir funcionários de baixa médica que não são substituídos.

Diretor faz de porteiro
O diretor do Agrupamento de Escolas de Canelas, em Gaia, já teve de exercer funções de porteiro para suprir a falta de funcionários, garante Filinto Lima.

Casas de banho e ginásios fechados
Na Escola Secundária Inês de Castro, em Vila Nova de Gaia, há pavilhões encerrados e casas de banho fechadas devido à escassez de auxiliares. Na Escola Vallis Longus, em Valongo, o pavilhão gimnodesportivo também já teve de encerrar pelo mesmo motivo e não houve aulas.

Desafio a Centeno para visitar escola
Filinto Lima lança um desafio ao ministro das Finanças, Mário Centeno. "Convido o ministro das Finanças a visitar uma escola para perceber como se trabalha e como é que se consegue fazer omeletes sem ovos, porque a qualidade do ensino ministrado continua a ser elevada".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)