Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

"Ninguém está a salvo na Síria"

Casal fugiu de Raqqa com as três filhas para se salvar. Está agora em Ovar.
Ágata Rodrigues 19 de Novembro de 2015 às 13:20
A família a chegar à Grécia (foto pequena) e já numa praia portuguesa, a desfrutar de momentos de serenidade
A família a chegar à Grécia (foto pequena) e já numa praia portuguesa, a desfrutar de momentos de serenidade FOTO: João Relvas/Lusa

A paz que a família Alkhamis encontrou em Ovar contrasta com os constantes bombardeamentos que faziam parte do dia a dia na cidade de Raqqa (Síria), de onde fugiram em agosto.

Ali, de 38 anos, a mulher Nada Al Nadaf, de 28, e as três filhas, de 4, 7 e 9 anos, estão há seis dias na nova casa e dizem que finalmente encontraram "um bom sítio para viver". As aulas de português estão a ser essenciais para o emprego garantido que têm numa fábrica da cidade, a partir do próximo mês.


"Fugimos depois de mais bombardeamentos perto da nossa casa, o meu irmão já tinha fugido e eu precisava de salvar a minha família também", explica Ali, que trabalhava como alfaiate e artesão na cidade que tem sido alvo de bombardeamentos franceses e russos nos últimos dias.

"A esta hora já tínhamos morrido. Ninguém está a salvo lá. Tivemos de arriscar para sobreviver. Hoje, sei que as minhas filhas vão ter um futuro", frisa . O pai de Nada foi sequestrado e alguns familiares morreram: só mantém contacto via internet com a mãe de Nada e um irmão de Ali, também refugiado.

"Fomos num barco de borracha até à Grécia, pagamos 1300 dólares (cerca de 1200 euros) por cada um, pensei que íamos morrer. Na Áustria, conheci o português Nuno, foi a nossa salvação", explica. Foi o grupo de portugueses ‘Famílias como as nossas’ quem trouxe a família síria para Portugal. A união de freguesias de Ovar e a comunidade ajudaram a família com dois empregos, aulas de português e uma casa.


Recorde-se que, na semana passada, chegaram a Portugal 39 refugiados, de países africanos e asiáticos, que ainda não integram a quota de 4500 refugiados que Portugal vai receber no âmbito da crise migratória.
Portugal Ovar Raqqa Síria refugiados guerra Grécia Áustria crise migratória
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)